A nova visão de Elon Musk: chegar a qualquer lugar da Terra em menos de uma hora!

Actualidade

Actualidade

, Notícias

O empreendedor Elon Musk, que sonha há muito construir uma colónia humana em Marte, planeia agora fabricar um novo foguete, “BFR”, que será capaz de viajar para qualquer local da Terra em menos de uma hora.
Se for uma realidade, Musk afirmou que uma viagem entre Nova Iorque e Xangai poderá ser feita em 30 minutos. Este anúncio surpresa significa que a sua Corporação Tecnológica de Exploração Espacial planeia transportar seres humanos não apenas para outros planetas, mas também no próprio planeta Terra, criando assim uma competição para a indústria aérea comercial.
“Se procuramos ir para Marte, porque não a Terra?”, disse Musk no 68º Congresso Internacional de Astronáutico em Adelaide, na Austrália. No final da sua apresentação muito técnica, surgiu numa enorme tela uma animação, onde se viam dezenas de pessoas a entrar numa balsa de alta velocidade (BFR) em Nova Iorque numa plataforma aquática. A nave espacial viaja, então, para Xangai em aproximadamente meia hora.

No passado, Musk disse que utilizaria os seus próprios recursos financeiros para financiar a sua visão. Anteriormente, tinha referido o envio de uma nave espacial não tripulada, o Red Dragon, a Marte em 2018. Este plano foi arquivado. No entanto, o novo plano exige que o primeiro BFR chegue a Marte em 2022, seguido de missões tripuladas em 2024.
Marte já não representa apenas material de ficção cientifica. A sua exploração foi fortemente impulsionada em agosto de 2012, quando o Curiosity Rover da NASA pousou no Planeta Vermelho e continua a enviar fotografias. Mesmo assim, a colonização humana deste planeta não será fácil. Levará vários meses a lá chegar, não se conhecendo os riscos para o corpo humano. Mesmo que os tripulantes sobrevivessem a esta viagem de 155 milhões de milhas, a sua primeira tarefa seria criar uma atmosfera habitável, encontrar água e produzir o combustível necessário par enviar o navio foguete para casa. Ainda assim, cada vez menos se pode considerar esta visão futurista como uma história de ficção científica!

Fonte: Bloomberg

Deixe uma resposta