Acionistas da SDC Investimentos votam hoje saída da empresa de bolsa

Agência Lusa

Agência Lusa

, Notícias

Os acionistas da SDC – Investimentos, que detém um terço da Soares da Costa Construções, votam hoje em assembleia-geral extraordinária a perda de qualidade de sociedade aberta e consequente saída da empresa de bolsa.

A reunião magna – que irá decorrer num hotel em Lisboa – foi convocada a pedido dos acionistas Investéder e Oceanlotus, que detêm atualmente em conjunto 343.197.423 ações representativas de 90,315% do capital social da SDC Investimentos.

No âmbito do pedido de perda de qualidade de sociedade aberta que será hoje discutido, os maiores acionistas da SDC -Investimentos propõem-se pagar uma contrapartida de 7,12 cêntimos por ação para tirar a empresa de bolsa, um valor “equivalente ao preço médio ponderado das ações da sociedade no mercado Euronext durante o período de seis meses anterior à data da convocatória” da assembleia-geral.

A intenção de retirar a empresa de bolsa tinha já sido admitida pela Investéder, criada por António Castro Henriques e Gonçalo Andrade Santos, ambos administradores da SDC – Investimentos, depois de a ‘holding’ ter superado, em janeiro, a fasquia dos 90% no capital da SDC.

Este reforço foi conseguido após a concretização de um aumento de capital através da emissão de 220.000.000 novas ações ordinárias nominativas e sem valor nominal, na sequência do qual a Investéder passou a deter uma participação qualificada direta de 90,289% dos direitos de voto na SDC – Investimentos, correspondente a 343.097.423 ações.

Antes desta operação, a Investéder controlava 77% da SDC – Investimentos, posição que tinha conseguido através de uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) lançada no ano passado a 2,7 cêntimos e também por via de aquisições em bolsa.

Na justificação para o pedido de perda de qualidade de sociedade aberta, os maiores acionistas da SDC sustentam que “se verifica uma elevada concentração do capital da sociedade na esfera da Investéder – Investimentos e da Oceanlotus”, recordando que “há muito que se encontra divulgado o objetivo da Investéder – Investimentos, enquanto acionista maioritário, promover a perda, por esta sociedade [SDC], da sua qualidade de sociedade aberta”.

Segundo referem, a aprovação deste mecanismo tem agora “caráter urgente, tendo em conta o objetivo, também há muito anunciado, de a Investéder vir também a recorrer ao mecanismo de aquisição potestativa previsto no artigo 490.º do Código das Sociedades Comerciais e os prazos relativamente curtos em que tal recurso é legalmente viável”.

Através deste mecanismo de aquisição potestativa a SDC poderá depois vir a sair de bolsa.

No ponto três da ordem de trabalhos da assembleia-geral é proposto que seja “atribuído ao Conselho de Administração mandato para praticar os atos e satisfazer as formalidades que se mostrem necessárias à concretização, em termos válidos e plenamente eficazes, das deliberações a que se refere o considerando, incluindo a alteração estatutária”.

PD // CSJ

Lusa/fim

Deixe uma resposta