Ações da Sporting SAD valorizaram-se 6% este ano mas só negociaram 128 mil euros

Agência Lusa

Agência Lusa

, Notícias

As ações da SAD do Sporting apenas negociaram 128 mil euros desde início do ano, um título com reduzida liquidez que nos últimos dias recuperou de quedas, depois de ter chegado a valer pouco mais de 60 cêntimos.

Desde início do ano, e apesar da turbulência dos últimos meses, as ações da Sporting SAD valorizaram-se 5,97% tendo fechado a 0,71 euros esta sexta-feira, ainda assim muito abaixo dos 1.000 escudos (o equivalente a cinco euros) a que entraram em bolsa em 1998.

As ações do Sporting, à semelhança dos outros clubes cotados (Benfica e Porto), têm poucas transações e são também as que estão disponíveis para negociação (‘free float’), cerca de 3%.

A SAD do Sporting tem como maior acionista o Sporting SGPS, com cerca de 64%, seguida da empresa Holdimo, de Álvaro Sobrinho, com 30%, e da Olivedesportos, de Joaquim Oliveira, com 3%.

O reduzido ‘free float’ das ações do Sporting e baixa liquidez do título fazem com que a capitalização bolsista seja pouco representativa do valor da empresa.

“É abusivo tirar grandes ilações do comportamento em bolsa das ações. O que interessava era saber o preço se grandes acionistas decidissem vender as ações”, disse o economista Filipe Garcia, da IMF – Informação dos Mercados Financeiros, à Lusa.

A mesma opinião é partilhada por Tiago Cardoso, da corretora XTB, que recordou que uma variação de 20% é apenas sobre o valor em ‘free float’ os cerca de 3%, e não tem impacto sobre os 97% de capital. Ou seja, é pouco indicativo do impacto em toda a sociedade.

Esta sexta-feira, as ações do Sporting fecharam a subir 4,41% (face a quinta-feira) para 0,71 cêntimos. Contudo, nessa sessão houve apenas sete transações em que foram negociadas 4.585 ações.

“Serve de indicação para ver o sentimento, mas sete transações não é nada. Por vezes, há grandes subidas ou grandes quedas apenas porque houve uma transação grande”, afirmou Tiago Cardoso.

Ainda assim, considerou que a decisão que será tomada hoje em assembleia-geral extraordinária do clube, que decidirá a continuidade ou não do presidente, Bruno de Carvalho, poderá ter implicações significativas na bolsa.

“Se houver revogação do Conselho Diretivo do clube parece-me que o mercado poderá digerir negativamente, porque não se sabe como será com a comissão de gestão”, afirmou, lembrando que no final de junho acaba também o mandato da gestão da SAD e que, caso Bruno de Carvalho deixe de ser presidente, não se sabe quem irá assumir as funções.

O Sporting tem ainda prevista uma emissão obrigacionista, que de momento está adiada.

A crise no Sporting agudizou-se em 15 de maio, quando cerca de 40 pessoas encapuzadas invadiram a Academia do Sporting, em Alcochete, e agrediram alguns futebolistas e elementos da equipa técnica, com a GNR a deter 23 dos atacantes, que ficaram em prisão preventiva.

IM // CSJ

Lusa/Fim

Deixe uma resposta