Análise Semanal – BPI

Tiago Esteves

Depois de uma semana de completa ausência dos mercados, é com agrado que constato que o “tal” ressalto sempre apareceu. Esperemos que seja duradouro e que não se fique pela primeira resistência.
O BPI, como o resto da banca, beneficiou com a (duvidosa) notícia da retoma aos lucros por parte do Citigroup. Tecnicamente, a notícia surgiu na hora H. O anterior mínimo não foi quebrado, desenhando-se mesmo o que aparenta ser um duplo fundo. Claro que carece de confirmação, mas é sem dúvida um aspecto a reter.

Recuemos um pouco… Na última análise ao BPI, a sólida LTd estava muito perto de ser quebrada. Pouco tempo depois a quebra veio mesmo a acontecer, embora com volumes baixos. A partir daí a cotação tem oscilado abaixo e acima da LT, tendo sido perdido todo o respeito anteriormente demonstrado.
Fosse esta uma LTd com 3 ou 4 toques e eu não estaria aqui a analisá-la tão pormenorizadamente. Mas uma linha com 6 pontos de aproximação/toque tem de ser valorizada, especialmente depois de se dar uma quebra!
Muitos dos títulos que acompanharam uma linha de tendência durante o anterior bull market deram o primeiro sinal de fraqueza ao violarem essa linha, mesmo não parecendo isso na altura muito óbvio. Neste caso, pode ter sido aqui dado o primeiro sinal de força (mesmo não parecendo também ainda muito óbvio).

Para já, o único resultado dessa quebra da LTd foi o início de um movimento de lateralização. É mais um sinal positivo, já que tudo indica que este severo bear market termine após um período de lateralização. Como disse acima, durante este período acabou por desenhar-se o que parece ser um duplo fundo. O mercado acreditou na possibilidade e a cotação já subiu 10% desde esse ponto.
Se está tudo tão positivo, porque não abri ainda uma posição longa? Porque ainda não estou totalmente convencido. Uma das principais razões que me levam a ficar de pé atrás é o padrão de higher-lows que se mantém activo. Como é visível na imagem, ainda nenhum dos mais recentes máximos relativos conseguiu superar o anterior. Até que isso aconteça, não há entusiasmo que lhe valha.
Por outro lado, temos a teoria do duplo fundo, que não passa mesmo de uma teoria. Enquanto a resistência dos 1,82 não for quebrada com volume e o padrão activado, não há nada de muito concreto que nos faça pensar numa inversão de tendência.
Em Fevereiro/Junho de 2008 também se acreditou num duplo fundo e nem por isso ele se veio a tornar uma realidade.

Actualmente estamos a atravessar uma zona de resistência (não a desenhei no gráfico para não ficar muito confuso) que termina acima do anterior máximo relativo. Se for ultrapassada com sucesso será dada mais uma prova de força por parte do título, aliando-se a quebra da resistência à quebra do padrão de higher-lows. Estamos já tão perto que vale a pena esperar por mais esta confirmação.
Se o duplo fundo for activado, a projecção aponta para os 2,5€!
Embora eu ainda esteja de pé atrás com a banca, terei de me render às evidências se continuarem a ser dados sinais de força. Mas para já, tudo isto não passa de mera suposição e o melhor será deixar o BPI dar um passo de cada vez.
Quem sabe se não é desta que o próximo bull arranca.
Por outro lado, nunca é demais salientar: Se o suporte dos 1,35€ quebra… vai ser feio de se ver.

Deixe uma resposta