Análise Semanal – Cimpor

Tiago Esteves
A vencedora da habitual sondagem semanal foi a Cimpor. A última análise que fiz à Cimpor foi há cerca de 2 meses, quando existia alguma indefinição técnica. Havia na altura uma zona de resistência para ultrapassar e uma LTd para quebrar em alta. Depois de um mês de lateralização, a quebra acabou mesmo por acontecer. Tanto a quebra da resistência como a quebra da linha. Esta dupla quebra confirmou o bom momentum que a Cimpor já há muito vinha a anunciar.

O período de lateralização que antecedeu a quebra em alta acabou por ser marcado por um padrão técnico de consolidação, uma bandeira. Depois de ter sido activada, já assistimos a uma progressão de quase 20%. Estamos ainda longe do target, muito ambicioso, mas possível de alcançar. Encontra-se apenas 15% acima do actual máximo relativo, em plena zona de resistência (6,4€).

Depois de ter atingido o máximo relativo, iniciou um movimento de correcção. Nem outra coisa seria de esperar, já que a subida de 80% apenas foi pausada pelo padrão de consolidação. Traçando um retracement de fibonacci ao movimento ascendente no seu global, vemos que ainda estamos algo longe dos 38,2%. Até lá, qualquer correcção é mais que normal e não deve ser motivo de desânimo. Ainda assim, uma visita a esse valor implicaria uma queda de 17% desde os máximos, o que é, de facto, doloroso. Para chegar a esse ponto terá de quebrar em baixa a zona de suporte, marcada por uma forte densidade (não só na zona delimitada mas também abaixo dela).

Para os próximos tempos, continuo bastante positivo na Cimpor. Provavelmente será o título do PSI-20 com melhor aspecto técnico e, mesmo que surja uma correcção mais severa, é possível que esta continue a resistir como tem feito até agora. Aliás, à semelhança do que aconteceu com a EDPR há uns meses atrás. Os volumes continuam a ser pouco reveladores, tanto nos movimentos ascendentes como nos descendentes. Nem no padrão de consolidação os volumes corresponderam ao esperado.
Embora esteja com sentimento positivo, não vou abrir uma posição nela para já. Este movimento correctivo, aliado à possibilidade da manutenção de um clima depressivo nos mercados internacionais, podem trazer o título até próximo da retracção de fibonacci e da linha de tendência quebrada. Aí sim, será de ponderar uma entrada longa. Mas sempre tomando todas as necessárias precauções, na eventualidade de as coisas não correrem muito bem…

Deixe uma resposta