Análise Semanal – EDP Renováveis

Tiago Esteves

Mais uma vez, a EDPR venceu a sondagem semanal. Não me parece estranho, já que é provavelmente o único título do PSI-20 que inverteu a tendência e parece querer definitivamente rumar para Norte. Haja força e mais lhe sigam o exemplo!
Comecemos então por aí mesmo. Poderemos já afirmar que a EDPR se encontra em Bull Mode? Na minha opinião, sim. Olhando para o gráfico, podemos ver (pelas setinhas verdes) que fez já oito higher lows. Este é um dado essencial para se “decretar” como bull um título, já que é a prova da força crescente reflectida nas cotações. Para sermos precisos, dois desses pontos estão aproximadamente no mesmo nível. Mas tendo em conta que a zona em causa é um suporte, é perfeitamente normal que as cotações “respirem” sobre o suporte para depois retomarem o seu caminho. Sem que isso inviabilize a tendência ascendente!
Geralmente esses higher lows são possíveis de unir, formando uma Linha de Tendência Ascendente. Neste caso concreto, não consegui traçar uma LT com validade suficiente, por isso deixei de lado esse pormenor.

Olhando para as cotações desde o final do ano passado, podemos observar a possível formação de um triângulo simétrico de alta.
Ora, este triângulo tem algumas características particulares, discutíveis até. Segundo os meus apontamentos, já atingimos o 6º toque, embora na sua base apenas haja um toque efectivo.
Como interpretar isso? Quando um triângulo simétrico de alta tem uma falha na sua base, essa falha é atribuída à força compradora crescente. Se existe uma maior pressão compradora, as probabilidades de o triângulo ser quebrado no sentido ascendente aumentam. Embora sejam duas as falhas, eu continuo a atribuir a responsabilidade pelo sucedido à pressão compradora.
Neste caso concreto, existe outra forma de ver as coisas. No entanto, e para não confundir, vou-me cingir a esta, já que me parece a mais acertada.
Se for quebrado, a projecção aponta para perto da resistência, tal como a projecção do H&S.

E os volumes? Como se sabe, os volumes devem ser decrescentes durante a formação do padrão, seguindo-se um aumento dos mesmos no breakout.
Embora não possamos dizer que os volumes são decrescentes durante a formação, também não podemos dizer que são crescentes. Basicamente, os volumes são sempre constantes. Antes e durante a formação do triângulo.
Aconteceu a mesma coisa após o breakout do H&S e pode vir a acontecer novamente agora. Embora esse factor não invalide os padrões, retira-lhes alguma validade, já que lhes fica a faltar uma peça fundamental.

E para o futuro, o que esperar? Disse e reitero, até ver estamos em Bull mode. Enquanto estivermos acima do suporte dos 5,24 não há razão para preocupações. Se toda a zona de suporte (que não é pequena nem consensual) for atravessada, então poderemos ter motivos para ficar preocupados. Mas as probabilidades estão agora do lado da quebra em alta do triângulo e do ataque à zona de resistência. Esta não é grande, mas pode trazer problemas. Se quebrada, então o caminho fica desimpedido até aos 7,20.

A análise desta semana tem um handicap importante: O post é muito longo e a informação dentro do gráfico é demasiada, o que dificulta a leitura. Sempre que analiso uma empresa, tento fazê-lo da forma mais simples e concisa que consigo, mas desta vez confesso que tive algumas dificuldades na parte da simplicidade. Fica o pedido de desculpas e a promessa de melhoria já para a próxima semana:)

Comment List

  • canguru 08 / 02 / 2009 Reply

    Tiago,
    Dado o curto tempo de vida da EDPR (de onde só podemos tirar conclusões para o curto/médio prazo)acho que não se perdia nada em ver por exemplo o comportamento da sua irmã espanhola (Iberdrola) para termos uma visão mais alargada e válida sobre o provavél caminho da EDPR no médio-longo prazo.

    Cump

  • Tiago Esteves 09 / 02 / 2009 Reply

    Canguru,
    Sim, sobrepondo os gráficos são notórias as similaridades entre as duas empresas. De qualquer forma, A sua congénere espanhola tem apenas mais 6 meses de vida do que ela. Portanto, continua a ser insuficiente para termos uma visão de longo prazo.
    Já agora, se compararmos com a casa mãe Iberdrola (as similaridades também são importantes aqui), esta continua ainda em profundo bear mode.
    Abraço

Deixe uma resposta