Análise Semanal – Sonae Indústria

Tiago Esteves

Tiago Esteves

, Sem categoria

A vencedora da análise semanal foi a Sonae Industria. Similarmente ao que aconteceu com a Teixeira Duarte, também a SONI foi das mais prejudicadas do PSI-20 durante o Bear Market, caindo cerca de 90%. Isso por si só não justifica a subida de mais de 140% que já atingiu nos últimos meses, mas explica o interesse dos investidores, que olham muitas vezes para as empresas que mais caíram como aquelas que têm maior potencial de valorização.

Tecnicamente foi interessante seguir esta espantosa evolução, surgida quase do meio do nada. Pela terceira vez consecutiva nos últimos meses, teve um movimento em V. Não se pode chamar fundos em V aos dois primeiros, já que a cotação nunca conseguiu romper a última resistência. Este último movimento, o verdadeiro fundo em V, conseguiu isso e muito mais. Repare-se no padrão de volumes, que é decrescente na fase de descida e crescente na fase de subida. Nos movimentos anteriores isto não tinha acontecido, era precisamente o contrário que acontecia. A cotação passou pela resistência com uma facilidade impressionante, necessitando de menos de duas semanas para atingir 50% de valorização.

Para os que ainda não estavam convencidos, depois de uma tentativa de pullback à resistência veio mais um arranque, desta vez tão forte que quebrou a LTd de longo prazo. No dia da quebra o volume foi fortíssimo, quase o triplo das anteriores sessões. Também o pullback à linha foi esclarecedor do movimento que havia de vir, com um volume sete vezes inferior ao dia da quebra. Dado o pullback, mais um movimento poderosíssimo, com máximos relativos consecutivos. Atingida a resistência dos 2,78€ houve finalmente uma pausa na subida, possivelmente para consolidar. Os 38,2% de Fibonacci suportaram a queda das cotações e fizeram-nas subir novamente. Agora, a grande questão: Este movimento é de inversão ou de consolidação?

Tenho vindo ao longo da análise a chamar a atenção para o padrão de volumes, já que ele tem dado sinais claríssimos que têm servido para antecipar os movimentos do título. Desde que foi atingida a resistência que os volumes têm vindo a diminuir. Embora isso possa significar exaustão do movimento ascendente, eu prefiro a teoria da consolidação, na qual este padrão de volumes tão bem assenta. Tentando prever o que pode vir a acontecer, deixei no gráfico o rascunho de dois movimentos de consolidação bem característicos, que encaixariam aqui como uma luva. A vermelho temos o pennant, a azul a bandeira. Embora não seja meu hábito fazer futurologia, achei importante deixar aqui as duas hipóteses, especialmente para fazer ver a quem está dentro que, mesmo que este mínimo relativo seja quebrado em baixa, neste caso não é tão importante como poderia à partida parecer. Para quem está fora, o mais sensato será esperar por uma quebra em alta de um dos hipotéticos padrões.
Apesar de tudo isto, é essencial ter em mente que existe a possibilidade de estarmos a atingir a exaustão do movimento…

Deixe uma resposta