Análise Semanal – Teixeira Duarte

Tiago Esteves

Depois de um empate na sondagem semanal, a Teixeira Duarte acabou por ser mais forte e venceu a sondagem de desempate. Desde a última análise feita a este activo muita coisa mudou e o meu estado de espírito a respeito dela também se alterou ligeiramente. Continua a ser um activo muito alavancado, dependente da evolução do BCP e Cimpor mas, enquanto estes crescerem salutarmente, também a Teixeira vai crescer, provavelmente até de forma mais visível.

Graficamente está muito interessante, os sinais negativos têm sido contrariados e têm mesmo aparecido alguns sinais de alento. O primeiro sinal efectivo foi a quebra da resistência dos 0,59, já nessa altura com volumes mais elevados nos dias de subida. O sinal mais forte foi a quebra da LTd. Olhando agora para trás, é visível que o título foi formando um fundo arredondado, com volumes quase inexistentes na base desse fundo e elevados nos extremos, desenhando um U.

Desde a quebra da linha de tendência que o volume tem aumentado consideravelmente, especialmente nos movimentos ascendentes. Depois de uma subida de 170% era mais que expectável uma correcção a esse movimento, quase incessante. Traçando uma retracção de Fibonacci, podemos tentar prever onde terá fim este movimento correctivo. Os 38,2% apontam para o mínimo já atingido e os 50% apontam para a zona de suporte. Conforme esperado numa retracção simplesmente correctiva, os volumes têm vindo a diminuir com as quedas. Quando os vendedores secarem, podemos assistir à continuação do movimento ascendente (se se mantiver o alento nos mercados em geral).

Para os próximos tempos não estou a pensar entrar neste título, a menos que se forme um padrão técnico muito convincente (uma bandeira seria um bom exemplo), ou que as cotações desçam até à zona de suporte e lá se detenham. A subida foi muito apiculada e uma correcção de 15% (de fecho a fecho) parece-me algo insuficiente. De qualquer forma, será para manter debaixo de olho, já que não está tão “morta” como há uns meses atrás eu julgava.

Deixe uma resposta