Angola arrecadou 34,3 M€ em receitas da exportação de diamantes no 1.º semestre de 2018

Agência Lusa

Agência Lusa

, Notícias

O Ministério das Finanças angolano indicou hoje que Angola arrecadou cerca de 34,3 milhões de euros em receitas da exportação de diamantes, atingindo, até ao final de junho, 5,2 milhões de quilates a um preço médio de 126,65 dólares.

Segundo os dados oficiais referentes ao primeiro semestre de 2018 – em janeiro e março não houve pagamentos da receita diamantífera -, junho foi o mês com melhor registo a todos os níveis, volume de quilates, imposto industrial, ‘royalties’ e valor arrecadado.

O preço médio começou em fevereiro nos 125,34 dólares, atingindo o pico do semestre em abril, chegando aos 131,30 dólares, baixando significativamente em maio, para os 120,53 dólares.

Em junho, voltou a subir novamente, para s 129,42 dólares.

A 31 de julho, num encontro de avaliação realizado em Luanda pelas empresas do subsetor dos diamantes destinada a analisar o segundo trimestre deste ano e perspetivas para o terceiro trimestre, vários administradores de empresas diamantíferas angolanas mostraram-se satisfeitos pelo aumento dos preços num mercado internacional que está “bom”.

Ganga Júnior, presidente do Conselho de Administração da Endiama, diamantífera estatal angolana, salientou as “algumas melhoras” no volume de produção em alguns projetos.

“Estamos [Endiama] neste momento com cerca de três milhões de quilates. Estamos a fazer o balanço de cada empresa individualmente e as coisas estão a correr bem, [as perspetivas] são animadoras”, disse Ganga Júnior.

Relativamente ao mercado, o presidente da Endiama referiu que “está razoável”, com o desafio a centrar-se atualmente no aumento da produção.

“Estou convencido que o nosso desempenho vai ser melhor este ano”, admitiu, sublinhando que a meta de produção para 2018 é de cerca de nove milhões de quilates.

“O mercado está bom, está a reagir. O mercado internacional também e agora compete-nos também a nós trabalharmos para o aumento dos volumes de produção”, frisou.

Por sua vez, o Administrador da Sociedade de Comercialização de Diamantes de Angola (Sodiam), Fernando Amaral, referiu que a faturação neste segundo trimestre ultrapassou os 300 milhões de dólares (257,2 milhões de euros).

A receita bruta proveniente da atividade de comercialização de diamantes, essencialmente oriunda das províncias da Lunda Sul (85%) e da Lunda Norte (15%), foi de 316,5 milhões de dólares, dos quais 295 (93,2%) foi proveniente da atividade industrial e 21,5 milhões de dólares (6,8%) da artesanal.

Durante o segundo trimestre, a Sodiam teve um volume de comercialização total de 2,3 milhões de quilates.

Segundo os dados, 2,1 milhões de quilates (92,7%) foram de produção industrial e 169,3 mil quilates (7,3%) da produção artesanal.

Do total produzido, 1,9 milhões de quilates (85,7%) eram de origem kimberlítica e 330 mil de origem aluvionar.

JSD (NME) // EL

Lusa/Fim

Deixe uma resposta