Análise Semanal – BCP

Tiago Esteves

Desde a última análise ao BCP, pouco se alterou a nível tendencial. Estávamos em Setembro e, tal como eu tinha dito, apenas a quebra da resistência nos 1,54 ditaria uma alteração de tendência de médio prazo. Isso acabou por não acontecer, o suporte foi quebrado e voltamos às fortes quedas. Desde essa altura, já caiu cerca de 50%. Este é um sinal claro de que não devemos encarar as entradas longas de ânimo leve neste bear market, sem haver concisas provas de solidez e inversão.
Após essa queda, andou a negociar em mínimos durante cerca de dois meses, e há poucos dias atrás iniciou aquilo que me parece ser um ressalto técnico. Era óbvio que isso teria de acontecer, dada a brusca queda que já se prolongava há algum tempo. Enquanto caía, foi desenhando uma LTd (de médio prazo). Essa LTd acabou por ser quebrada na última sessão, embora de forma pouco convincente. Se olharmos para os volumes, estes têm vindo a diminuir desde que atingimos este fundo nos 0,69€. Para já, não daria muito valor a essa quebra.
A pensar nos mais entusiastas, os que se precipitam a ver fundos, tracei no gráfico um círculo à volta do que muitos pensaram ser um triplo fundo. Nessa altura, houve um claro aumento nos volumes pois muita gente achava que as quedas já tinham sido demasiado penalizadoras, etc, etc… O que é certo é que a cotação ao entrar em contacto com a LTd de longo prazo retraiu-se e recuperou a tendência.
Por isso, vou reforçar mais uma vez a ideia que tenho passado nos últimos meses: Entrar precipitadamente pode ser financeiramente (e não só) muito doloroso. Não há necessidade!

Até onde poderá ir este ressalto? Ao traçarmos uma extensão de Fibonacci, podemos ver que os 38,2% correspondem a uma pequena resistência. Eu apontaria para esse valor, como o target mais provável (e já estou a ser optimista) até recuperarmos novamente a tendência. Se conseguir quebrar os 38,2%, terá uma fortíssima zona de resistência para ultrapassar (não só a zona de resistência mas também a LTd de longo prazo). Só quando (se) for ultrapassado esse derradeiro obstáculo poderemos falar em inversão de tendência e em entradas seguras. Antes disso, não é para mim…

Deixe uma resposta