Análise semanal – Jerónimo Martins

Tiago Esteves

Terminada a semana, a Jerónimo Martins foi a mais recente vencedora. Votação renhida, com vários votos nas últimas horas que quase causavam uma reviravolta decisiva. Pela segunda semana consecutiva, o BPI ficou a um ponto do primeiro lugar. Se isso se repetir para a semana, vou analisá-lo juntamente com o título vencedor da sondagem.

Agora a JMT. Como já tinha dito há alguns meses atrás, a JMT era uma das poucas candidatas a afirmar-se neste bull market. Não só pela qualidade que possui enquanto empresa, mas também pelo sector em que se integra. A atravessar um bull market que se iniciou no ano 2002, não mostrou para já quaisquer sinais de fraqueza, pelo menos sinais suficientes para indiciarem uma alteração de tendência. Como podemos ver na imagem de longo prazo, a tendência está perfeitamente definida, com uma LTa religiosamente respeitada. Sempre que existe um toque, ou sequer uma aproximação, ela reage em forte alta.

Em relação aos últimos meses, tem sido um refúgio para os investidores. A zona dos 5,6 andou bastante tempo a servir de resistência, o que impediu que as subidas se exacerbassem. Quando finalmente rompeu essa resistência, fê-lo de forma determinada. Após a aproximação à LTa que aconteceu em Julho, reagiu de forma fantástica, com uma galopante subida.
Pelo caminho foi delineando uma pequena LTa de curto/médio prazo. Há duas sessões atrás, quando desenhei essa LTa, apercebi-me que a subida estava a ser demasiado apiculada. 72 Graus, para ser mais preciso. Como sabemos, quanto mais angulada for uma LTa mais probabilidade tem de ser quebrada. Acabou por ser quebrada ontem, dando um mau sinal, sinal de alguma fraqueza. Fez uma vela muito feia, com um pico de volume ainda mais feio. O que significa isto? Pois, aí reside a questão fundamental. Parece-me volume a mais para serem apenas tomadores de lucros das sessões mais recentes.
No fundo nem interessa. O que interessa é que existe um fortíssimo suporte nos 5,6 que provavelmente será testado na próxima semana. Para quem está fora, será uma boa altura para entrar. Dificilmente este suporte será quebrado num futuro próximo. O ideal seria entrar junto da LTa de longo prazo, mas com toda a força ascendente que se tem verificado nos últimos meses, só um descalabro a trará novamente à LTa no curto prazo.

Pessoalmente, tenho algumas dúvidas se entrarei. Como já referi no passado, não gosto de negociar em acções com sombras muito grandes, isso faz com que seja muitas vezes stopado (curiosamente, a JMT foi o título que mais prejuízo me causou devido a uma ordem stop). Andar sem stops é um mau princípio, mas talvez seja o mais “seguro” num título como este (no mercado português!).
Aos que estiverem a pensar em shortar, livrem-se! Mesmo que tenha aspecto de queda (como tinha no final daquela LTa de curto prazo), contrariar a tendência é puro suicídio. O que parece dinheiro fácil rapidamente se pode transformar em prejuízo fácil. The trend is your friend 😉

Deixe uma resposta