Análise semanal – Jerónimo Martins

Tiago Esteves

A vencedora da semana foi a JMT, semana da sua apresentação de resultados. Com os resultados não vieram muitas novidades, estes aproximaram-se das estimativas da maioria dos analistas. Fazer uma empresa lucrar desta forma com as actuais condições económicas será cada vez mais complicado. Os retalhistas americanos têm passado por dificuldades e começam a dar sinais de fraqueza na hora de apresentarem resultados.

A JMT insere-se num clima macroeconómico ligeiramente diferente, não me admiraria que continuasse com resultados satisfatórios daqui em diante, quando a crise na economia real se começar verdadeiramente a sentir.
Mas num bear market até as empresas sólidas se ressentem. Por isso, o melhor é olharmos para o gráfico e deixarmos a análise fundamental para o início do novo bull, onde uma filtragem será verdadeiramente importante.

Tal como eu já tinha dito em análises passadas, quando foi quebrada aquela forte LTa de longo prazo, o bull chegou oficialmente ao fim. Desde aí tem estado a lateralizar mesmo abaixo desse importante marco, desenhando um padrão que normalmente é associado à continuação de uma tendência prévia, o rectângulo. Quebrada a LTa, a tendência vigente passou a bearish. Por isso, este rectângulo é considerado um padrão de continuação bearish.

Antes da apresentação de resultados assistimos ao aliviar de posições por parte dos mais receosos, acabando por acontecer uma sequência de 10 velas vermelhas. Isto fez com que a figura fosse violada e a projecção milimetricamente atingida. Após a apresentação, quem tinha vendido por receio recomprou e o padrão foi re-testado.
De acordo com a teoria, o pullback nos rectângulos dá-se em 40% dos casos, para depois a cotação seguir o seu caminho. Neste caso, o caminho descendente. Para quem quer entrar curto, esta pode ser uma boa oportunidade. Como se viu no último dia de negociações, a pressão vendedora acima da mais recente resistência é enorme e não vai ser facilmente vencida.

Pessoalmente, não gosto de negociar este título. Já o disse anteriormente e volto a insistir. Os suportes e resistências são constantemente violados pelas sombras das velas, o que só serve para activar stops. Não usar stops também é muito perigoso, já que ocasionalmente tem puxadas de 8-10%. Se estas forem a nosso favor, é óptimo. Mas se nos contrariam, ficamos com um problema em mãos.
Infelizmente, o tipo de estratégia e de instrumentos que utilizo, não se adequam nestes casos.
Para quem quer entrar longo, será melhor aguardar. Ou pela recuperação do triângulo, ou mesmo pela sua quebra em alta. Antes disso, a relação risco/benefício está claramente a pender para os curtos.

Disclaimer
Este comentário é uma opinião pessoal, não deve ser confundido com uma recomendação de compra ou venda. As compras e vendas são da responsabilidade do investidor, bem como os lucros ou perdas resultantes.

Deixe uma resposta