Análise Semanal – Sonae Industria

Tiago Esteves

Esta semana, a habitual sondagem teve um total de 64 votos. Este número tem sido batido em alta, semana após semana. É um número acima da média para um blogue e por isso não posso deixar de agradecer a todos os que continuam a vir até este espaço votar. Para vocês, muito Obrigado. Vou continuar a esforçar-me para não desiludir.

Em relação à Sonae Indústria, confesso que a minha visão se mantém pouco optimista.
Vamos começar com uma análise ao seu passado recente, esta visão será importante para a análise do momento actual.
O bull market nesta cotada terminou oficialmente quando, em Agosto de 2007, quebrou a LTa de longo prazo. Em Janeiro-Março de 2008 aparentou desenhar um duplo fundo e as esperanças reavivaram-se à sua volta. Mas depressa se percebeu que ainda estávamos longe do fundo, quando (em Maio/08) esse importante suporte foi quebrado.
A partir daí as quedas exacerbaram-se e só em Julho foi esboçada uma reacção por parte dos Bulls. Traçando uma extensão de Fibonacci, podemos ver que essa reacção se ficou pelos 38,2%, tendo as quedas regressado logo de seguida.
Em Outubro assistimos ao mais violento ressalto, com uma subida repentina de mais de 50%, depois de ter feito um mínimo de 1,5€. Essa reacção “morreu” na resistência e o caminho para baixo continuou.

Actualmente, estamos a assistir a uma lateralização sobre o suporte dos 1,5€. Como se viu acima, este suporte é de grande importância psicológica. Foi desta marca que surgiu aquela forte reacção de 50%, o que fez muita gente ganhar dinheiro. Já o referi anteriormente, mas é sempre bom recordar. Quanto mais exacerbada é a subida a partir de um determinado ponto, mais importante se tornará depois esse ponto como suporte (o mesmo para as resistências, em relação às quedas).
Muitos dos que ganharam dinheiro nessa reacção e venderam lá acima aproveitam este mesmo ponto para re-entrar, na esperança de que o passado se repita. Enquanto esses compradores não se esgotarem, o suporte vai manter-se. Mas cada vez que ele é testado fica mais fraco, pois a quantidade de compradores vai diminuindo progressivamente.
Por vezes, é a partir destes suportes que as reacções se transformam em inversões de tendência. Mas não me parece que seja este o caso, e explico porquê.

Andamos há cerca de 3 meses a rondar novamente o suporte e o máximo que se conseguiu foi uma reacção até aos 38,2% de Fibonacci. Seria expectável uma reacção mais forte, especialmente nos momentos iniciais de contacto com o suporte. A falta de força na subida é um indício claro de que a pressão vendedora é também significativa.
Olhemos para as últimas três sessões representadas no gráfico. Vela verde-vermelha-verde. E os volumes? O volume na vela vermelha foi superior ao conjunto das duas verdes. Isto até pode nem significar grande coisa no médio prazo, mas não podemos deixar de reparar que no curto prazo a pressão vendedora se está a exacerbar.
Para quem está longo, sugiro que não se esqueçam de deixar os stops abaixo do suporte.
Enquanto o suporte aguentar, a cotação deverá lateralizar e até, quem sabe, esboçar reacções de subida. Se ele quebrar, a situação torna-se preocupante e digna de uma fuga de emergência.

Embora se apresente sem uma trajectória definida no curto e médio prazo, a tendência de longo prazo é claramente descendente.
Quando a cotação se encontra a lateralizar, sem demonstrar sinais de força no sentido inverso à tendência vigente, tem grandes probabilidades de seguir o caminho da tendência de longo prazo. Ora, este é sem dúvida um cenário a ter em conta…

Lista de Comentários

  • rg7803 25 / 01 / 2009 Reply

    resumindo, tiago, mais uma acção boa para shortar caso quebre o suporte dos 1,50 com volume crescente, correcto?
    abraço,
    rg7803

  • Tiago Esteves 25 / 01 / 2009 Reply

    Olá RG.
    Sim, se quebrar o suporte seria uma excelente oportunidade para shortar. Não o referi na análise porque (pelo menos da última vez que vi) não é possível fazê-lo através de CFD’s.
    Abraço

Deixe uma resposta