As coisas continuam azedas para os CTT. Tecnicamente falando, claro…

Tiago Esteves
Apesar do bom momento no curto prazo, as coisas não estão fáceis para os CTT. Desde a quebra do importante suporte nos 8,8€, que eu tinha já assinalado na última análise como sendo decisivo para o título no médio prazo, a quebra intensificou-se e atingiu já os 30% desde máximos. Muito significativo, se considerarmos que os CTT são um título relativamente defensivo. Neste movimento, desenhou uma linha de tendência de validade moderada. Atente-se contudo à angulação da mesma, que por ser muito pronunciada não deve ser tida em grande consideração. A sua quebra em alta representará, em teoria, pouco mais do que uma diminuição da velocidade de queda. Numa óptica de médio prazo, mais importante que a quebra em alta desta linha, será sem dúvida a superação dos 8,12€. Será esse o ponto que marca a fronteira entre o bear e o bull mode.

Já no curto prazo, as coisas estão um poucos mais próximas de alguma definição. Estamos precisamente encostados à referência de curto prazo em termos de resistência, e a sua ultrapassagem em alta poderá significar a aproximação à tal fronteira decisiva. A partir desse ponto, só mais tarde poderemos ver o que acontecerá. De qualquer forma, nunca é demais recordar que a força da tendência continua a apontar para baixo.


Ainda há vagas para o seminário do próximo sábado, no Sheraton Lisboa. Acesso livre, mediante inscrição

Deixe uma resposta