As referências técnicas da Jerónimo Martins antes de uma provável correcção

Tiago Esteves
Termino a cobertura ao sector do retalho com uma análise à Jerónimo Martins. Após mais um toque em máximos, importa agora antecipar o que o título poderá fazer no médio prazo. Antes de mais, é fundamental salientar o excelente momento que esta atravessa, representado pelos movimentos ascendentes de médio prazo compostos por mínimos relativos consecutivamente superiores aos anteriores. E apesar de em finais do ano passado termos assistido a uma hesitação nesse padrão, desde o último ano que os movimentos de drawdown têm sido pouco importantes.
 Ora, quais são as zonas de preservação fundamental? A primeira, importante sobretudo para o curto prazo, situa-se nos 15,1€. A sua quebra poderá significar uma correcção mais intensa do que seria expectável, mas sem dramas. A segunda, relevante para o médio prazo, situa-se nos 14,375€.

 

No gráfico horário, tudo aponta para a possibilidade de uma correcção. Forma-se o que parece ser um padrão topo de inversão, que a ser efectivado tem uma projecção potencial nos 15,90€. Esta activação acontecerá se os 16,38€ quebrarem em baixa. Analisando friamente, diria que existe uma boa probabilidade de este cenário se concretizar. Ainda assim, não há qualquer incompatibilidade com os cenários acima descritos em termos de manutenção da tendência. Significa isso que até podemos ter uma correcção, mas que tal em princípio não significará a existência de uma inversão de longo prazo. E se a tendência não se inverter, teremos oportunidades de reforço! (Quase) tão simples quanto isso!
P.S.: Uma das novidades que estou a preparar para breve, à medida que a minha disponibilidade temporal se dilata, passará por voltar a organizar eventos formativos. Pedia, nesse sentido, o favor de responderem a três perguntas (demora cerca de 20 segundos). Para o fazerem, por favor sigam este link.

 

 

Deixe uma resposta