Banif afunda após anúncio de novo Aumento de Capital

Tiago Esteves
Como já tive oportunidade de referir imensas vezes, um anúncio de aumento de capital corresponde geralmente a um anúncio de sarilhos para a cotação de uma empresa. Foi isso que se voltou a verificar hoje com o Banif, após ter sido anunciado que o banco colocaria no mercado 13,8 mil milhões de novas acções a 1 cêntimo cada. Esta notícia teve um impacto duplamente negativo nas cotações, já que além do pedido de esforço financeiro acabou por desiludir os accionistas que acreditavam que a salvação do banco vinha da Guiné.

Acreditem numa coisa: o CEO do Banif não estará a contar a história toda quando diz que “prefere capitalizar-se no mercado do que recorrer ao dinheiro dos investidores da Guiné Equatorial”. Não faz sentido do ponto de vista gestionário que assim seja, e o discurso que acompanha essa afirmação parece-me claramente no sentido de levar os accionistas ao AC. Diria que um de dois cenários poderão ter levado a esse caminho. O mais provável? Os Guineenses foram inteligentes e terão colocado como condição a uma eventual participação qualificada a capitalização prévia do banco. O segundo cenário passará por uma tentativa de tirar força a uma eventual participação destes novos accionistas, diminuindo assim a necessidade de capital para pouco mais de 300 milhões e aumentando o poder de negociação da actual administração. Seja como for, nenhum dos dois cenários parece defender os melhores interesses dos accionistas, defendendo-se quando muito os interesses da actual administração. Nem o volteface quanto aos direitos de voto (o domínio voltará a sair das mãos do estado) me parece um justificativo válido o suficiente…

Quanto à cotação, é provável que a convergência para 1 cêntimo se mantenha. Ainda não se conhecem todas as condições da oferta (nomeadamente a proporção de direitos por título detido), mas a julgar pelas anteriores operações será provável que a convergência aconteça. Desta vez temos dois factores menos maus a pesar do lado dos accionistas, o menor volume de diluição e o maior optimismo nos mercados. Estes factores poderão contribuir para spikes e reacções ascendentes de curto prazo, apesar de ser pouco provável que a cotação no médio prazo vá muito longe.

Pessoalmente manter-me-ei bem afastado deste aumento de capital. Não me parece minimamente atractivo, não me parece que o cenário de curto prazo seja optimista e não me parece que os spikes do passado tenham tido por detrás um jutificativo suficientemente válido para me levarem a acreditar que possam voltar a ocorrer.
Não excluo esse cenário, mas não gosto de negociar com base na aleatoriedade. Para isso prefiro o ambiente de um casino.

Fica o gráfico actualizado.

Comment List

  • JorgeNevada 15 / 04 / 2014 Reply

    Caro Tiago

    Para quando umas palavras sobre esta última reação da Soares da Costa? Vendeste a tua posição?
    Eu mantenho a minha posição, embora esteja com uma grande pancada.. Acho que uma empresa está a vender toda a sua participação da SCOSTA em mercado, e qd isso acontece numa empresa sem liquidez leva as cotações ao charco..

    Estou tentado em reforçar, caso o suporte dos 0.32 se revela suficiente para aguentar esta força descendente.

    Desculpa o offtopic, mas parece-me um tema bem relevante

    Abraço

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 15 / 04 / 2014 Reply

    Olá Jorge,
    Amanhã de manhã deixo um update à Soares.
    Abraço

  • Caro Tiago,

    Muito obrigado pela sua AF sobre o BANIF, coisa rara pelo seu blog, pois seguramente a AT é bem mais atraente e segura, e o tempo não dá para tudo. No entanto se puder de vez em quando «dar um ares da sua graça» sobre AF dos títulos que vai seguindo, todos nós lhe ficamos gratos.
    Podemos então despir o fato sobre o BANIF, mas para neutro ou bearish? Se o suporte do cêntimo aguentar, não poderia ser um bom ponto de entrada? Em termos de AT nada indicaria o contrário, e até poderíamos aproveitar as condições do AC se forem favoráveis. No entanto depreendo das suas palavras que a melhor estratégia é mesmo ficar atento ao desenrolar do AC para depois tirar as devidas conclusões.

    Um abraço,

    Manuel Maria de Magalhães

  • silvatradingpt 16 / 04 / 2014 Reply

    Absolutamente de acordo, não convém querer "agarrar uma faca em queda livre".

    Bons trades! 🙂

  • Paula Duarte 16 / 04 / 2014 Reply

    Caro Tiago,

    Deixe-me partilhar a minha opinião consigo, sobre este assunto Banif.
    A gestão do Banif vai deixando os investidores desconfiados (o meu caso), não vejoqualquer luz ao fundo do túnel.. e continuo agarrada a um papel, que me vai dando uma dores de cabeça.

    Recentemente cometi um erro de "principiante", justamente com esta cotada.
    Passo a explicar: Na tentativa de troca de instituição financeira, decidi comprar acções do Banif, num outro banco, sendo que coloquei um take-profit numa posição mais antiga que detinha numa outra corretora. Resultado: Dobrei a posição, o take profit nunca foi atingido, e estou assim com um titulo em mãos por um valor bastante superior ao que estava disposta a investir.

    Moral da história, aguardo por um milagre, e raramente é o dia que não me lembro de uma frase que por aqui li: "não deixe que um ganho se transforme numa perda".

    Cumprimentos,
    Paula Duarte

    (parabéns pelo seu blog)

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 16 / 04 / 2014 Reply

    Obrigado Manuel. De facto escrever sobre AF é muito mais difícil e menos apelativo. Mas no Banif a análise técnica não é suficiente, já que o gráfico diz pouco ou nada. Passei para neutral, fico de fora a ver o que acontece.
    Abraço

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 16 / 04 / 2014 Reply

    Obrigado caro Silvatrading.

    Paula,
    Obrigado pelas palavras e pelo comentário. Já me aconteceu algo semelhante, compreendo a sua angústia. Aprendi com o tempo que mais vale ser um pouco agressivo nas entradas e saídas. Depois de a decisão estar tomada tem de se executar.
    Gostava de assistir a esse milagre, custa-me ver uma empresa definhar assim até um nível de preço quase irracional

Deixe uma resposta