Banif – Uma tentativa de esclarecimento a accionistas e obrigacionistas

Tiago Esteves
Está confirmada a resolução do Banif. Um fim triste mas anunciado para outra instituição financeira. Não vou falar hoje da vergonha que foi o processo até ao seu culminar, nem no papel de CMVM, Governos (o anterior, o antecessor, e o actual) e Banco de Portugal em toda esta trapalhada. Nem sequer na factura que todos nós iremos pagar. Falaremos disso tudo a seu tempo, num momento em que o assunto cause menos náuseas a todos. Hoje importa sobretudo deixar uma palavra de esclarecimento (e solidariedade) a accionistas e obrigacionistas.

Nos mercados, como na vida, todos cometemos erros. Alguns saem caros, mas o que não nos mata deve deixar-nos mais fortes. Aos que ontem viram o Banif cair na posição de accionistas, é altura de seguir em frente. A perda foi total, não vale a pena perder tempo e esforço em busca de esperança onde ela já não existe.Um conselho de quem já aí esteve? Relativizem… se fosse um acidente era pior! Dinheiro ganha-se e perde-se. Hoje perdeu-se, amanhã há-de ganhar-se.

Para quem tinha obrigações subordinadas, infelizmente o cenário é o mesmo. Em princípio a perda será total, tal como aconteceu após a resolução do BES. Já as séniores terão escapado ao cenário de perda total, e deverão passar (segundo se entende no comunicado do Banco de Portugal) para o Santander. A grande questão passa por saber se têm ou não haircut (perda parcial). Na resolução do BES não houve haircut, mas houve redução de cupão nas emissões séniores perpétuas. Poder-se-à assistir aqui a um cenário semelhante, se bem que será menos provável por não existirem (que eu saiba) emissões perpétuas do Banif. Daria demasiado trabalho cortar cupões de obrigações que vencem a curto prazo, mas não deixa de ser uma possibilidade.

Como podem saber se as vossas obrigações do Banif são subordinadas ou séniores?
 O processo é relativamente simples. Basta irem ao vosso banco online buscar o ISIN (é a “matrícula” dos instrumentos financeiros), e colocar no google. O primeiro PDF que aparecer deverá corresponder ao prospecto informativo. Basta depois, no prospecto, verificar se a obrigação é sénior ou subordinada (imagem abaixo). Seja qual for o cenário, não percam totalmente a confiança no sistema financeiro e nos mercados de capitais. Talvez seja altura de olhar para mercados mais a sério, onde situações como esta resultariam em penas de prisão efectivas para muitas pessoas! Não são os mercados que funcionam mal, o nosso país é que ainda não conseguiu enquadrar-se totalmente na Europa do século XXI.

Comment List

  • Jose Graca 21 / 12 / 2015 Reply

    Infelizmente somos nós contribuintes que vamos pagar os erros de outros mais uma vez…

    Bom post Tiago
    Abraço

  • José 22 / 12 / 2015 Reply

    Caro Tiago,

    Sou um dos entalados (ainda que avisados) que perdeu 100% no investimento que fez no Banif. Felizmente tratavam-se apenas de 500k accoes. Não é de todo agradável
    mas não é o fim do mundo. Comprei banif no break out de Fevereiro de 2015, e cheguei a ter valorizações muito interessantes, entre 20% a 30% e tive pelo menos três boas ocasiões para o ter feito. Mas o que é certo é que nunca a fiz. Deixei passar essas oportunidades, e fui aguardados por tempos melhores, esquecedo aquilo que eu sabia muito bem, que capital investido no banif era de altíssimo risco. Uma total irracionalidade, eu sei… O tempo foi passando, e também por motivos profissionais deixei de acompanhar a bolsa e deixei aquilo estar em piloto automático, sem stops, sem nada. Quando tornei a olhar para essa posição estava já a cotar na ordem dos 0,001… Portanto baixo demais para vender. Pude ainda livrar-me dela a 0,002, mas tornei a deixar andar, até ao congelamento da negociação.

    O dinheiro já o dei por perdido como é óbvio. As culpas atribuo-as apenas e só a mim. A única coisa neste momento que me preocupa é ter 500k acções no meu portfólio que não quero para nada. Como me posso livrar desse lixo?

    Obrigado por qq esclarecimento.

    Abraço e parabéns pelo blogue sempre excelente!

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 22 / 12 / 2015 Reply

    Obrigado, José Graça.

    José,
    São coisas que acontecem, o pensamento é o mais correcto dada a situação. O erro está feito, é seguir em frente. O lixo no portfolio é um grande inconveniente, não só pela constante recordação da situação mas sobretudo pelo pagamento de custódia (se for o caso) sob um nado-morto. Não vai ser fácil resolver isso, ainda hoje há quem tenha BES no portfólio. Ainda assim, há uma possibilidade: vender OTC a quem as queira comprar. No caso do BES, o Citigroup andou a comprar a um preço simbólico para poderem encerrar posições curtas. Hão-de surgir "oportunidades" semelhantes para o Banif. Poderá indicar ao seu gestor de conta que tem essa disponibilidade, para o caso de ele ouvir alguma empresa que queira comprar OTC para encerrar curtos. Eu farei o mesmo, e deixarei publicado se ouvir algo…

    Um abraço e bom natal para todos!

  • José 22 / 12 / 2015 Reply

    É de facto incrível que tenhamos de ficar com essa memória no portfólio…
    Obrigado em todo o caso pelo esclarecimento.
    Bom Natal!

  • frar 24 / 12 / 2015 Reply

    A Política com um Novo Paradigma

    BPN, BES, Novo Banco, Banif… e… por aonde é que anda a capacidade negocial do contribuinte!!!???!!!???!!!
    .
    Ora, de facto, por muitos mestres/elite em economia que existam por aí… porque é que quem paga (vulgo contribuinte) não há-de ter uma palavra a dizer!!!???!!!???!!!
    .
    Mais, foram mestres/elite em economia que enfiaram ao contribuinte autoestradas 'olha lá vem um', estádios de futebol vazios, BPN, BES, Novo Banco, Banif, etc.
    .
    .
    O CONTRIBUINTE NÃO PODE IR ATRÁS DA CONVERSA DOS PAROLIZADORES DE CONTRIBUINTES – estes, ao mesmo tempo que se armam em arautos/milagreiros em economia (etc), por outro lado, procuram retirar capacidade negocial ao contribuinte!!!
    .
    Mais, quando um cidadão quando está a votar num político (num partido) não concorda necessariamente com tudo o que esse político diz!
    Leia-se, um político não se pode limitar a apresentar propostas (promessas) eleitorais… tem também de referir que possui a capacidade de apresentar as suas mais variadas ideias de governação em condições aonde o contribuinte/consumidor esteja dotado de um elevado poder negocial!!!
    -» Ver blogs « http://fimcidadaniainfantil.blogspot.pt/ » e « http://concorrenciaaserio.blogspot.pt/ ».
    .
    .
    .
    Anexo:
    O CONTRIBUINTE TEM QUE SE DAR AO TRABALHO!!!
    -» Leia-se: o contribuinte tem de ajudar no combate aos lobbys que se consideram os donos da democracia!
    —»»» Democracia Semi-Directa «««—
    -» Isto é, votar em políticos não é (não pode ser) passar um cheque em branco isto é, ou seja, os políticos e os lobbys pró-despesa/endividamento poderão discutir à vontade a utilização de dinheiros públicos… só que depois… a ‘coisa’ terá que passar pelo crivo de quem paga (vulgo contribuinte).
    -» Leia-se: deve existir o DIREITO AO VETO de quem paga!!!
    [ver blog « Fim-da-Cidadania-Infantil »]
    .
    .
    P.S.
    Outros Direitos que já há alguns anos (comecei nos fóruns clix e sapo) aqui o je vem divulgando:
    1- O Direito à Sobrevivência de Identidades Autóctones : ver blog "http://separatismo–50–50.blogspot.com/".
    2- O Direito à Monoparentalidade em Sociedades Tradicionalmente Monogâmicas: ver blog "http://tabusexo.blogspot.com/".

Deixe uma resposta