BCP – Análise Técnica

Tiago Esteves
O BCP foi dos títulos do PSI-20 que mais sofreu com a crise do subprime, caindo 97% em apenas 4 anos. Mas se o seu valor poderia estar em 2007 bastante inflacionado, ao longo destes 4 anos descontou-se de tudo um pouco nas cotações, desde escândalos internos, a exposição à dívida grega e mesmo uma eventual nacionalização. Um caso de estudo para aplicações da Lei de Murphy, tudo o que havia para acontecer aconteceu a este banco.

Nos últimos anos analisei este título por diversas vezes e tive várias entradas, algumas em falso, outras com lucros de pouco relevo. Neste momento pode estar a dar mais um sinal de eventual inversão e por isso entrarei nela em breve. Depois de meio ano de quedas acompanhadas por uma linha de tendência descendente, atingiu novo mínimo histórico nos 10 cêntimos. A quebra em alta dessa LT permitiu às cotações tomar algum fôlego, dando lugar a uma rápida subida de 95% em apenas 3 meses! Quando um rally tão intenso acontece num curto período de tempo, o suporte que lhe dá origem torna-se extremamente poderoso. Todos os que compraram no mínimo não esquecerão durante anos o valor que lhes consagrou tamanho lucro, todos os que venderam nesse mínimo ficaram profundamente arrependidos pelo momentum e todos os que hesitaram em entrar ficaram a desejar que lá voltasse uma vez mais para poderem ainda apanhar o comboio.

É disto que são feitos os suportes, marcos psicológicos. E temos nos 10 cêntimos um tremendo marco psicológico, que poderá alimentar uma nova investida em alta. Quem costuma seguir as minhas análises sabe que eu não gosto de entradas precipitadas, e o mais correcto tecnicamente seria esperar pela eventual activação de um duplo fundo. Mas quando estamos a falar de um rácio P/L de 20/1, o risco é justificado.

O que esperar então? Como já disse, na minha opinião a proximidade ao suporte deve ser aproveitada para uma entrada. A quebra do suporte em baixa será um sinal de saída, e deve ser respeitado. Sendo extremista, quem entrar agora pode perder 95% exactamente como quem entrou quando cada título valia 4€!
Mais perigoso do que uma quebra de suporte seria, na minha opinião, um reverse stock split. Aí os suportes perderiam toda a utilidade e, se tal viesse a acontecer, não haveria psicologia que lhe valesse.

Para finalizar, um disclaimer personalizado. Não gosto de analisar penny stocks (ao que o BCP chegou) porque todas as opiniões parecem suspeitas e qualquer movimento é um vendaval. Quero deixar bem clara a minha posição, não tenho actualmente acções desta empresa nem qualquer tipo de interesse na sua subida ou descida.

Deixe uma resposta