BPI emite 275 ME de dívida muito subordinada para “otimizar estrutura de capital”

Agência Lusa

O banco BPI vai realizar uma emissão de 275 milhões de euros de valores mobiliários representativos de dívida muito subordinada, numa estratégia que tem como objetivo “otimizar a estrutura de capital”, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a instituição avançou que esta emissão é composta por instrumentos de capital Additional Tier 1 (AT1) e que será integralmente subscrita pelo CaixaBank, que controla o banco português, “estando prevista a sua liquidação para o próximo dia 19 de setembro”, lê-se na mesma nota.

No comunicado, o banco refere ainda que “esta emissão insere-se na estratégia do BPI de otimizar a sua estrutura de capital”, realçando que “a referida emissão terá um impacto positivo nos rácios consolidados de capital Tier 1 e total do Banco BPI de 1.6 p.p. [pontos percentuais] face a 30 de junho de 2019”. Estes rácios avaliam a solidez de um banco.

Os instrumentos hoje anunciados “têm um valor nominal de 500.000 euros” e “são emitidos a um preço de emissão de 100% e remunerados a taxa de juro fixa inicial de 6,50%”, de acordo com o banco.

A fixação do preço foi considerada adequada “às atuais condições de mercado por um auditor independente”, revelou a instituição.

De acordo com o BPI, estes “valores mobiliários representativos de dívida muito subordinada (AT1) são dívida perpétua, com opção de reembolso antecipado pelo banco a partir do 5.º ano, trimestralmente em cada data de pagamento de cupão (sujeito a autorização da entidade de supervisão)”.

Além disso, “dispõem de um mecanismo automático de absorção de perdas”, indica o banco.

O BPI recordou ainda que em março deste ano, “colocou 500 milhões de euros em obrigações hipotecárias a 5 anos com uma procura superior a 3.100 milhões. Essa operação assinalou com grande sucesso o regresso do BPI como emitente ao mercado institucional de dívida, e teve como objetivo financiar o crescimento previsto para a atividade do banco, de acordo com o plano estratégico 2019-21”, indicou a instituição.

ALYN // JNM

Lusa/Fim

Deixe uma resposta