Certificados perpétuos Senivita (7%+1%) – Mais um passo na direcção da diversificação

Tiago Esteves
Numa altura em que se impõe, mais do que nunca, diversificação financeira à carteira de investimentos, é altura de regressarmos a um dos meus grupos favoritos de instrumentos financeiros: as obrigações e certificados de participação! Esperava-se que em Outubro o mercado obrigacionista nacional voltasse a mexer, mas aparentemente o caso BES continua a influenciar toda a sociedade financeira, e a diminuição de apetite por risco terá atrasado algumas emissões públicas. Assim, sou obrigado a continuar voltado para os mercados internacionais. À semelhança das últimas obrigações que apresentei, da Air Berlin (e que tão bem têm feito à minha carteira), regressamos hoje à Alemanha.

O mercado Alemão tem algumas características que o tornam apetecível para estes instrumentos, e por isso tem captado cada vez mais a minha atenção. Além de terem uma supervisão que se encontra um pouco acima do nível de África Subsariana a que estamos habituados (sem ofensa para os países da África Subsariana), a diversidade de empresas, a força da economia, a cotação em euros, a possível conversão para marcos em caso de colapso do euro, e a taxação única, são outras das principais vantagens de negociar obrigações/certificados neste mercado. A maior desvantagem é, da minha perspectiva, o idioma. Essa desvantagem acentua-se no caso das empresas mais pequenas, devido à inexistência de prospecto em inglês.

O produto que hoje apresento são as Senivita DE000A1XFUZ2. Na prática não são uma obrigação, mas sim um certificado de participação comercializado em unidades de 1000€, com uma componente fixa de 7%/ano à qual acresce uma remuneração variável de 1% dependente da existência e distribuição de lucros por parte da empresa. A Senivita é um dos maiores grupos privados de prestadores de cuidados de saúde a crianças e a idosos, com forte incidência neste último grupo. Dada a demografia da Alemanha, e a política moderadamente expansionista da empresa, esta é uma área em que tenho grande interesse em estar investido. A componente fixa do certificado é muito generosa, e a componente variável acaba por ser um interessante bónus!

Com um rating de BB+, talvez o maior risco associado a este produto seja a menor salvaguarda em caso de falência (por se tratar de um certificado). Ainda assim, e como vimos no caso BES, na maioria das vezes em que há problemas, ter uma obrigação subordinada, um certificado de participação, ou um papel em branco, acaba por não ser muito diferente. Se a supervisão fizer o seu papel e se os números forem correctos, o mais seguro talvez seja mesmo ir acompanhando a evolução do negócio em busca de problemas potenciais.

Importa dizer que apesar de este ser um certificado perpétuo, existe uma opção de liquidação em 2019, dependente da existência de liquidez. Da mesma forma, os certificados poderão ser liquidados pelo seu detentor caso a empresa opte voluntariamente no futuro por ser uma organização não lucrativa.

Como os números geralmente falam por si, deixo os desta empresa na tabela abaixo, para análise pelos eventuais interessados. Da mesma forma, deixo o link para o prospecto informativo (em alemão), para quem quiser/conseguir aprofundar conhecimentos relativamente a este produto.

Disclaimer
Todos
os comentários e posts publicados neste blogue são meras opiniões pessoais, não
devendo ser confundidas com recomendações de compra ou venda. As compras e
vendas são da responsabilidade do investidor, bem como os lucros ou perdas daí
resultantes. Se necessitar de aconselhamento financeiro contacte uma entidade
ou profissional certificados pela CMVM

Comment List

  • Pedro 25 / 09 / 2014 Reply

    Boa noite Tiago,

    Apesar de não ser relacionado com este post, não resisti comentar, dada a minha preocupação com as quedas dos índices nos últimos dias.
    Há algum comentário à evolução dos índices ao longo desta semana? Alguns sinais fortes de venda estão a surgir nos principais indices europeus e americanos, especialmente hoje…

    Obrigado pelo teu trabalho neste blog!
    Pedro

  • Santana 25 / 09 / 2014 Reply

    Tiago boa noite. Antes de mais parabéns por mais um excelente post, realmente este produto é bastante atrativo. A minha questão é, como é que podemos chegar até eles? Banca tradicional? Abraço e continuação de bom trabalho

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 25 / 09 / 2014 Reply

    Pedro,
    É verdade, as coisas não estão fáceis. Eu tinha pré-planeado olhar para os índices na terça à espera de uma oportunidade de entrada longa (tudo indicava para uma correcção no início da semana), mas os sinais de fraqueza tornaram-se tão evidentes que desisti abandonar a ideia de entrar. Vou esperar pelo fecho do fim de semana para tentar perceber o que temos em mãos.

    Santana,
    Tradicional tradicional não digo, mas bancos como a gobulling, best, e todos os outros que permitam negociação otc de obrigações, e negociação de obrigações estrangeiras no geral permitem-no.

    Abraços

  • Anónimo 26 / 09 / 2014 Reply

    bom dia Tiago,

    Duas questoes se me permites:
    1-estando os juros em niveis historicamente baixos, como é possivel uma empresa (ainda por cima alemã) ter necessidade de se financiar a 7% através de obrigações ou neste caso certificado?
    2-como/onde pesquisar este mercado de obrigações? Tenho alguma dificuldade em encontrar um site onde a info esteja bem compilada. Aconselhas algum?

    sds
    nuno

Deixe uma resposta