Chegar ao fundo do poço

Tiago Esteves

Tiago Esteves

, Sem categoria

O sonho de qualquer investidor é comprar acções de uma empresa que tenha sofrido uma queda a píque, no ponto máximo da sua desvalorização, e só a vender bem lá em cima, quando os lucros já pesam. Normalmente, apanhar facas a cair do céu não é grande sistema.
Mas, e se estivéssemos convictos de que as facas já tinham chegado ao chão? Que uma determinada empresa tivesse já atingido o fundo do seu poço?
As duas empresas que vão ser analisadas neste post, podem ter atingido esse estadio.
Embora, admito, seja um trade de alto risco, a margem de lucro inerente a um eventual sucesso é bastante considerável.

Griffon Corp (NYSE:GFF)

A Griffon Corp é uma empresa cotada na bolsa de Nova Iorque, com quatro segmentos distintos de negócio. São eles a construção de portas para garagem, montagem especializada dessas portas, desenvolvimento e comercialização de películas plásticas não comuns (ex: para campos esterilizados impermeáveis) e informação electrónica e sistemas de informação (fecharam ainda esta semana um belo contrato com o US army).

Feita a apresentação da empresa, vamos ao que realmente interessa, a parte técnica.
Depois de uma queda a pique desde o início de 2007, onde cotava perto dos 25 dólares, muitos investidores a abandonaram por descrença e pelo peso das avultadas perdas (mais de 60% desde essa altura). Durante o mês de Março do corrente ano, começou a desenhar o que parece ser uma base, perto dos 7,5 USD. Essa base pode vir a ser o ponto de partida para uma inversão de tendência. A sólida LTd que vinha sendo desenhada à custa da grande desvalorização, foi quebrada com um pico de volume no início de Abril. Esta quebra deu asas à formação de um suporte bastante sólido na casa dos 9 USD. A confirmar esse suporte tivemos há dias atrás uma mostra de força compradora extraordinária, com o maior volume registado desde Agosto de 2007 (este foi devido a um piercing movement, não vem contemplado na imagem).
Para o futuro… Temos uma pequena resistência perto dos 10 USD, nada de considerável, e uma resistência interessante nos 12 USD. A atingir essa resistência, a margem de lucro aproxima-se dos 30%. Embora pareça bastante, é possível. Caso a coisa corra mal, fica um stop loss (mental) abaixo dos 9 USD, que será activado caso o suporte seja quebrado com consistência.

Crocs (NYSE:CROX)

A Crocs é daquelas empresas que dispensam apresentações. Quem não viu no verão passado milhares de “socas de esferovite colorido” nos pés de toda a gente que nos aparecia pela frente? Pessoalmente acho de uma terrível falta de gosto andar com aquilo por todo o lado mas… como dizem os experts, não devemos confundir os nossos gostos com os gostos do mercado! Pois bem, desde o Outono do ano passado que a Crocs se perdeu completamente. Com a publicação dos resultados, que se revelaram terríveis, lá se deu mais uma queda catastrófica. Em sete meses caiu mais de 85%!!! Brutal, é verdade… E então o que está a acontecer neste momento, para me fazer olhar para ela? Mais uma base, esta ainda mais consistente que a da GFF. Bateu nos 10 USD e por aí se ficou, construindo uma base durante um mês inteiro, oscilando entre os 10-11 USD. Ora, essa pequena resistência que se foi formando nos 11 USD foi quebrada com forte volume a 8 de Maio. Claro está, a resistência virou suporte e agora anda calmamente por cima dos 11 USD, sem grandes agitações. É verdade que pode aguentar-se assim durante meses!
Mas então, o que me levou a entrar neste momento?
1º A CROCS está a sofrer uma violenta reestruturação, como não poderia deixar de ser após os últimos resultados. Como Vice-presidente da empresa está agora o Sr. Adam Baker, um influente e experiente manager na indústria do calçado, com mais de 15 anos de experiência em marcas como a Nike.
2º O material de base do seu calçado, o Croslite, representa um importante e engenhoso avanço na indústria do calçado, por todas as características inovadoras que possui, com muito potencial ainda por ser explorado (quem sabe até, fora da indústria têxtil).
3º Está-se a aproximar novamente o verão e a CROCS já começou a meter no mercado novos produtos. Se houver uma época forte para esta empresa, será sem dúvida a época quente!
4º The last but not the least… Da última queda, ficou um enorme gap por encerrar. A ser encerrado, daria um lucro de mais de 65%!! Parece-me muito razoável, para uma queda desde os 75 USD em tão pouco tempo.
Caso o esquema saia furado, há dois pontos de saída, abaixo dos dois suportes que estão construídos.

Embora tenha definido pontos de saída para ambas as empresas, estou bastante confiante (não é uma confiança cega, atenção!). Com a amplitude da queda de ambas a somar à crise do subprime, acredito que a maior parte dos investidores de “mão trémula” já tenham saído dos papéis, depois de todas as provações por que eles passaram nos últimos meses.Os que ficaram, se quisessem sair, já tinham saído. De qualquer forma, o plano B está criado…

Deixe uma resposta