CTT autorizados a constituir um banco de fomento

Tiago Esteves
Excelentes notícias para a empresa CTT, o banco de Portugal concedeu-lhes a autorização para a constituição de um banco de fomento se a nova administração assim o entender. São também excelentes notícias para os portugueses já que, a avançar, este banco de fomento poderá injectar dinheiro na economia a condições mais acessíveis! A ideia será aproveitar a rede de balcões já existente, e que conferem uma extensa penetração territorial, para servir o novo banco de fomento.

Uma das grandes mais-valias desta possibilidade e que deixa os CTT à frente da concorrência passa pela possibilidade de começar do zero, sem créditos malparados a descontar por todos os futuros clientes. Essa questão, por si só, deixa logo os CTT à frente de grande parte da concorrência directa. Existem ainda outras vantagens (que não explorarei exaustivamente agora), como a necessidade de investimento mínimo para proceder à transformação. Um dos investimentos mais significativos terá de ser feito com formação, mas mesmo esse será limitado já que os funcionários da empresa lidam com frequência com produtos financeiros. Outra vantagem, talvez mais camuflada, passará pelo factor motivacional. Há o plausível receio entre os trabalhadores de que venham a existir despedimentos e encerramento de balcões no próximo ano. A meu ver essa preocupação deixa de fazer sentido com uma extensão de actividade. Sobrecarga laboral? Talvez um pouco… mas antes trabalhar mais do que não ter trabalho!

Por que raio há-de esta notícia ter sido publicada na sexta, a meio da OPV, quando o pedido foi feito em Agosto? Não tenho a mínima dúvida que terá sido por motivos estratégicos e que o governo terá pressionado o banco de Portugal para que a decisão avancasse ainda antes de a OPV terminar. A explicação mais plausível poderá estar relacionada com alguma dificuldade na venda a institucionais após a desistência dos Urbanos, institucionais que estariam provavelmente a pressionar o governo para que essa (importantíssima) questão fosse clarificada antes de avançarem com uma ordem. Estrategicamente faz toda a diferença, se pensarmos um pouco deixa até de fazer sentido que fosse uma empresa como a Urbanos a tomar conta dos “novos” CTT!

Para mim, que via já potencial de subida nas acções dos CTT, ficou ainda mais clara a possibilidade de tal se verificar no médio prazo. Tendo as regras sido alteradas a meio do jogo, foi criada uma adenda ao prospecto que permite aos pequenos accionistas cancelarem as ordens de subscrição que haviam sido dadas até agora, incluindo as da primeira fase de subscrição. Como é óbvio ninguém o terá feito, não faz sentido desistir do jogo quando o árbitro altera as regras para inclinar ainda mais o campo a nosso favor. Pelo contrário, só na sexta-feira o factor de rateio aumentou em 1x! E provavelmente amanhã esse aumento será ainda mais significativo. Felizmente o prazo para a subscrição está a terminar, quem quiser comprar CTT terá em breve de o fazer via mercado…

Deixe uma resposta