E agora, o que fazer?

Tiago Esteves

O movimento de subida já vai longo e pode haver um retracement a qualquer momento. O que fazer, então? Deparei-me com essa questão quando, ao acordar, vi que as minhas posições já vão com ganhos bastante significativos. Como provavelmente é uma questão que muitos estarão a fazer neste momento, pareceu-me bem fazer o raciocínio “em voz alta”. As posições longas que assumi não foram assumidas ao acaso. Logo, não deverão também ser encerradas ao acaso, com medo de perder os lucros. Um dos critérios que considerei para as abrir foi uma inversão de tendência, seja ela de médio ou longo prazo.

Se elas se estão a comportar segundo esperado, seria errado estar a cortar os lucros. Provavelmente o erro que impede os investidores comuns de terem lucros consistentes no longo prazo (ainda esta semana tive uma proveitosa discussão com o Tiago Santos a este respeito, mas não estou a encontrar o tópico). No que toca às posições longas, vou deixá-las correr e colocar o stop abaixo de resistências importantes entretanto quebradas. Isto vai-me permitir deixar correr os lucros e não deixar um ganho transformar-se numa perda, duas regras fundamentais para o sucesso. Se a resistência (agora suporte) for re-visitada e existir uma reacção , ponderarei subir o preço médio. Recordo que apenas o farei porque a tendência principal passou a bullish e, até acontecer nova inversão, é correcto reforçar as posições ganhadoras.

Por outro lado, existem títulos que ainda não conseguiram reverter a tendência bearish. Alguns aproximam-se mesmo de resistências muito fortes e, não tendo aproveitado o momentum positivo a nível internacional para as quebrar, podem já não ter condições para o fazer. É o caso, por exemplo, da Michelin. Já falei dela várias vezes no passado, dispensa apresentações. Actualmente encontra-se muito perto da LTd e de uma zona de resistência. Apesar da vela de ontem com fortes volumes e do entusiasmo de hoje, a LTd já leva 10 toques com respectiva reacção. A juntar a isso, a resistência encontra-se nos 61,8% de extensão de Fibonacci, pelo que se espera um retracement para breve. A optar por posições curtas, façamo-lo em títulos que ainda não deram sinais de inversão de tendência em definitivo. Porque mesmo que os stops sejam activados, pode sempre alterar-se o plano e transformar a posição numa posição longa.

Ao assumir posições curtas neste momento de forte entusiasmo, mantendo as longas, pretendo diminuir o risco de um eventual ressalto, evitando assim limitar o que pode ser um movimento de início de bull market. Mas sobre isso falarei em outra ocasião…

Disclaimer
Este comentário é uma opinião pessoal, não deve ser confundido com uma recomendação de compra ou venda. As compras e vendas são da responsabilidade do investidor, bem como os lucros ou perdas resultantes.

Deixe uma resposta