EDP Renováveis – Análise Semanal

Tiago Esteves
A EDP Renováveis foi a vencedora da sondagem semanal. A EDPR é uma empresa conceitualmente muito interessante, mas ainda em maturação. Quando foi colocada em bolsa, há 4 anos atrás, a sua facturação era extremamente baixa, não havendo uma justificação palpável para o preço de colocação de 8€. Na altura a colocação em bolsa foi um sucesso, assentando esse sucesso numa grande quantidade de investidores particulares que nem sabiam muito bem o que era uma acção, tendo sido impulsionados pela jogada de marketing lançada na altura pela casa-mãe EDP.

Alguns desses investidores eram meus amigos pessoais e tive oportunidade de acompanhar a opinião deles durante a fase descendente. Ouvia repetidamente que aquela era uma aposta para o longo prazo, e que com o passar dos anos a empresa iria subir e dar ainda muito lucro. Isto é algo que se ouve de forma recorrente, como é disso exemplo o post anterior. E era precisamente aí que eu queria chegar. Imagine você, pequeno investidor, que a possibilidade de vender acima de 8€ daqui a uns anos lhe era retirada, que era obrigado a vender por 2 ou 3€, mesmo contra a sua vontade… O que pensaria? Ora, é exactamente isso que a EDP planeia. Foi assumido publicamente pela EDP durante o mês passado que está nos seus planos retirar a EDPR de bolsa até 2015.

E o que significa isso? Significa que a EDP pode lançar uma OPA com um pequeno prémio sob o valor de cotação, podendo os investidores particulares ser obrigados a vender por esse preço, mesmo contra a sua vontade. Se fosse amanhã, o preço de compra podia ser de 3€ por título, se as quedas se mantiverem o preço de compra poderá passar a ser de 2€ por título. Isto é de extrema importância para quem está agora a pensar comprar, seduzido pelo anúncio de distribuição de dividendos a partir de 2013. À semelhança do que aconteceu com uma das Sonaes há uns anos atrás, isto é um grande negócio… mas para a casa-mãe! Por isso, a comprar com base nos fundamentais, antes comprar EDP!

Depois de tudo isto, tecnicamente não há muito a dizer, especialmente porque a empresa está em profundo bear mode, e não existe qualquer ponto de recuperação à vista. Encontra-se num “semi-canal” (tecnicamente não podemos considerá-lo um canal) descendente desde o início do ano, proporcionando em pouco tempo uma queda de 50%. Durante o movimento formaram-se alguns padrões de continuação, que só deixaram mais claro que o movimento não seria passageiro. Neste momento não me espantaria que houvesse uma quebra do tal canal guia, esboçando-se um ressalto. Mas depois do que disse anteriormente, só um sinal técnico de inversão muito fiável me levaria a entrar e a fazer um trade de curto prazo. Porque se a EDP fosse gerida por mim, até ao final do ano a EDPR saía de bolsa…

Deixe uma resposta