Estado aumentou capital da CP em 14ME em junho e injetará mais 18ME em setembro

Agência Lusa

Agência Lusa

, Notícias

O Estado fez um aumento de capital na CP – Comboios de Portugal de 14 milhões de euros em junho e está previsto que injete mais 18 milhões de euros em setembro, segundo o relatório de contas divulgado.

Este ano, apenas tinha sido público que, em fevereiro, o Estado aumentou o capital da empresa ferroviária em 22,9 milhões de euros.

Já segundo as contas semestrais da CP hoje divulgadas, os secretários de Estado do Tesouro e das Infraestruturas aprovaram um novo aumento de capital de 32 milhões de euros referente a junho.

Contudo, foi apenas injetado “o valor de 14 milhões, com referência a junho”, e os “restantes 18 milhões serão realizados em setembro”.

No total, até ao momento, o Estado acordou injetar na CP 54,9 milhões de euros, mas apenas 36,9 milhões de euros foram já realizados.

No ano passado, o Estado recapitalizou a CP em cerca de 500 milhões de euros, em vários aumentos de capital.

As queixas sobre o serviço prestado pela CP subiram de tom recentemente e o tema já se tornou motivo de confronto político.

Esta segunda-feira, os líderes parlamentares analisaram em reunião o requerimento do CDS-PP para que se realizasse já esta semana uma comissão permanente extraordinária para discutir os problemas da ferrovia, pedido que foi rejeitado, uma vez que apenas os centristas e os sociais-democratas estavam a favor.

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, estará na comissão permanente da Assembleia da República agendada para 06 de setembro para debater a situação da ferrovia.

Dois dias antes, em 04 de setembro, estará no parlamento o presidente da CP numa audição “sobre a degradação do material e o serviço prestado”, pedida pelo PSD, segundo a página da Assembleia da República na internet.

A CP divulgou hoje que teve prejuízos de 54,6 milhões de euros no primeiro semestre, abaixo das perdas de 58,1 milhões de euros registadas nos primeiros seis meses de 2017.

De acordo com o comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), para estes valores, registados num “cenário de ausência de indemnizações compensatórias e de contratualização do serviço público, contribuíram, essencialmente, os proveitos de tráfego e a melhoria do resultado financeiro, motivada pela diminuição do passivo financeiro da empresa”.

IM (PE/JF) // CSJ

Lusa/Fim

Deixe uma resposta