Fitch prevê queda do metical para 65,5 por dólar e inflação nos 5,1% em 2020

Agência Lusa

A consultora Fitch Solutions previu hoje que a moeda de Moçambique vá depreciar-se durante os próximos dois anos, sendo necessários 62,4 meticais este ano, 65,5 em 2020 e 68,5 para cada dólar em 2021.

“Esperamos que o metical passe por uma depreciação gradual nos próximos meses”, escrevem os analistas do mesmo grupo que é dono da agência de ‘rating’ Fitch Ratings, que antecipa uma subida da inflação de 2,8% este ano para 5,1% em 2020.

Numa nota sobre a evolução do metical, enviada aos clientes e a que a Lusa teve acesso, os analistas escrevem que “depois das revelação do escândalo da dívida oculta, o corte de apoio por parte dos doadores internacionais levou a uma depreciação significativa do metical, que chegou a valer 78,6 por dólar em outubro de 2016”.

Desde então, lembram, o metical tem-se valorizado e transacionado entre os 57,6 e os 64,4 meticais por dólar desde junho de 2017, mas no primeiro semestre de 2020 deverá “sofrer contínuas pressões descendentes devido à persistência do défice comercial de Moçambique”.

As exportações de bens agrícolas e de carvão e alumínio sofreram perturbações na sequência dos ciclones Idai e Kenneth, que danificaram as explorações agrícolas e a infraestrutura nas províncias do centro e do norte, lembra a Fitch, acrescentando que, também por isso, “a procura por bens de consumo, combustíveis e bens de capital importados vai continuar elevada”.

Apesar de elogiar o acordo financeiro alcançado com os credores no final de outubro, que garantiu a saída do incumprimento financeiro no que diz respeito à emissão de 727,5 milhões de dólares feita em 2016, a Fitch considera que “nos próximos trimestres há grande potencial de a desvalorização do metical ser ainda maior que a prevista”.

Isto pode acontecer, concluem, “se houver uma deterioração mais acentuada no défice da balança comercial, se o preço internacional do carvão e alumínio enfrentar um choque negativo ou se os preços do petróleo subirem significativamente”, para além de fatores internos como eventos climatéricos com impacto.

MBA // ZO

Lusa/Fim

Deixe uma resposta