Galp a palmilhar terrenos pantanosos

Tiago Esteves
Depois de uma queda de 22% num curtíssimo espaço de tempo, a Galp chegou finalmente à zona de suporte. A acompanhar a enorme fraqueza da matéria-prima subjacente, a empresa tem lutado com unhas e dentes para se manter agarrada a esta importantíssima zona, aguentando-se melhor do que o petróleo nestes últimos dias de forte desvalorização. Se é verdade que dificilmente a Galp se aguentará sozinha se o petróleo continuar a cair, não é menos verdade que poderá recuperar mais rapidamente do que esta matéria-prima quando/se for momento de inversão. Apesar de a Arábia Saudita continuar a sacrificar rentabilidade para ganhar quota de mercado, espera-se para as próximas semanas uma recuperação técnica da matéria, após termos atingido um suporte (73 dólares) historicamente relevante.

A Galp mostra essa mesma indecisão, simbolizando-a tecnicamente em forma de triângulo. A ser quebrado em alta, este triângulo poderá dar origem ao tal ressalto técnico tão aguardado, com uma projecção potencial superior aos 12€. A ser quebrado em baixa poderá representar o definitivo fim da zona de suporte. O gráfico horário também não ajuda, já que apenas simboliza essa lateralização de uma forma ainda mais evidente. Até que exista uma definição, mãos nos bolsos! Ah, e não esquecer que a Galp tem enorme volatilidade intraday, o que é excelente para limpar stops. Atenção a esse detalhe!

P.S.: Esperemos que o fisco não coloque em hasta pública as acções próprias da empresa para liquidar a dívida fiscal 🙂

Disclaimer
Todos
os comentários e posts publicados neste blogue são meras opiniões pessoais, não
devendo ser confundidas com recomendações de compra ou venda. As compras e
vendas são da responsabilidade do investidor, bem como os lucros ou perdas daí
resultantes. Se necessitar de aconselhamento financeiro contacte uma entidade
ou profissional certificados pela CMVM

Lista de Comentários

  • luis 19 / 11 / 2014 Reply

    73 usd o crude…
    o brent está + elevado…

  • Ricardo Santos 20 / 11 / 2014 Reply

    Lá se foi o suporte…

Deixe uma resposta