Jerónimo Martins com dois cenários antagonistas em formação

Tiago Esteves
O retalho volta a vencer a sondagem semanal, muito à boleia do momento de positiva incerteza que tanto a Jerónimo Martins como a Sonae atravessam. Comecemos a análise ao sector pela Jerónimo Martins, já que estou em dívida para algumas pessoas que me colocaram questões sobre a mesma nos últimos dias. Começando precisamente por aí, tinha deixado anteriormente a indicação de que seria importante buscar um ponto de inversão no gráfico horário para agarrar desde cedo uma eventual reacção ascendente no gráfico diário. Respondendo directamente a essa questão, a ultrapassagem em alta da zona de resistência entre os 14,92-14,98€ marcaria a activação de um padrão de inversão que poria muito provavelmente cobro ao mau momento temporário do título. A projecção aponta para os 15,43€, mas eu diria que os 15,79€ poderiam ser testados. Não deve no entanto ser desprezada a possibilidade de esta quebra ocorrer no sentido descendente. O compromisso descendente dos 14,62€ representaria a activação de um padrão de continuação que se parece formar no gráfico diário.

Ora, olhando com maior detalhe para o timeframe diário, podemos constatar que o movimento descendente originado pela activação do padrão top já atingiu a sua projecção. Temos agora esse preocupante padrão de continuação em formação. Tem todas as características para um padrão deste género, e deve por isso reter toda a atenção de quem tem interesse neste título. A activar a projecção, o movimento descendente potencial aponta para os 13,61€. Por si só, mesmo que a projecção seja atingida, tal não significaria uma inversão da tendência de longo prazo. Já vimos recentemente correcções descendentes nesta ordem de magnitude, e a Jerónimo Martins recuperou. Ainda assim, seria uma correcção já bastante substancial, o que é motivo reforçado para redobrar a atenção ao sentido da quebra no gráfico horário. Até que ela ocorra, seja no sentido ascendente ou descendente, mãos nos bolsos! O sentido desta quebra é imprevisível…

Deixe uma resposta