Análise Técnica – Jerónimo Martins segue para mínimos

Tiago Esteves

Após a análise que fiz à Jerónimo Martins em Março passado, o título enveredou precisamente pela direcção que mais temia: a do bear mode. Para o bem e para o mal, a Jerónimo Martins é um título que goza de independência relativamente ao PSI20, o que significa em termos práticos que podem estar todos os títulos a seguir uma direcção e ela a seguir precisamente a oposta. E parece ser essa a situação, uma vez mais. Enquanto a generalidade dos títulos sobe, a Jerónimo Martins segue apressadamente para mínimos. O marcado negativismo que tinha manifestado em Março segue agora reforçado com alguns sinais extra de preocupação. Seguindo a lógica da análise anterior, continuarei a descrever os sinais de preocupação pela ordem alfabética onde me detive anteriormente:

E – O padrão de consolidação foi mesmo quebrado em baixa, logo após o segundo ponto de toque. A aceleração da queda é manifestada pela diminuição da pressão compradora na zona que se esperaria trazer algum suporte.

F – Apesar do reteste ao padrão quebrado, a cotação não teve sequer capacidade para ultrapassar a referência nestas situações, que se encontra no vértice do padrão.

G – Nova reacção ascendente, novo máximo relativo inferior ao anterior. Apesar das tentativas intraday, a pressão vendedora fez-se notar claramente e repeliu o título no sentido descendente. É demonstrada uma vez mais a falta de interesse comprador.

H – Este é o mais recente e um dos mais preocupantes sinais. O título fez um fundo em V no gráfico horário, e seria expectável pelo menos uma aproximação ao ponto marcado pela letra G, que representava o máximo relativo anterior. Na realidade, pouco tempo após a activação, o título voltou a reverter a sua tendência, e segue agora para novos mínimos.

Posto isto, está fácil de ver que a Jerónimo Martins é neste momento um título a evitar por quem pretende ter uma posição longa. Não existem sinais de força compradora, e receio que tão cedo possamos não ter uma alteração nessa perspectiva. Para já, é o ponto G que marca a fronteira entre o bear e o bull market. Abaixo dele, e até nova referência, qualquer tentativa de entrada longa é puro gambling.

 

Jerónimo Martins

 

Deixe uma resposta