Lucro da Sonae sobe 50% para 200 ME até setembro

Agência Lusa

Agência Lusa

, Notícias

O lucro da Sonae subiu 50,1% nos primeiros nove meses do ano, face a igual período de 2017, para 200 milhões de euros, divulgou hoje o grupo que detém a cadeia de hipermercados Continente.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o copresidente executivo do grupo, Ângelo Paupério, refere que o resultado líquido foi “impulsionado por um forte aumento dos resultados indiretos”.

O gestor adianta que “a Sonae continuou a acrescentar resultados sólidos em todo o seu portfólio de negócios”, sendo que o volume de negócios subiu 7% para 4.236 milhões de euros, “com contribuições positivas de todas as unidades de negócio”.

O resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) subjacente cresceu 3,5% para 233 milhões de euros e o EBITDA subiu 1,7% para 270 milhões de euros.

O resultado indireto atingiu 114 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, sendo que no terceiro trimestre registou um ganho de capital de 46 milhões de euros resultante da compra de uma participação de 20% da Sonae Sierra.

“O investimento ascendeu a 480 milhões de euros devido à aquisição de 20% na Sonae Sierra e ao plano de expansão e remodelação de lojas”, refere a Sonae.

No período em análise, a Sonae criou mais de 2.000 postos de trabalho.

No retalho alimentar (Continente), a Sonae MC “continua a apresentar um desempenho sólido, com o volume de negócios a crescer 7% para 3.012 milhões de euros”.

“Esta evolução beneficiou de um aumento de vendas no universo comparável de lojas de 2,5% e do contínuo plano de abertura de lojas, em particular com oito novas lojas Continente Bom Dia e um Continente Modelo”, adianta.

A Worten registou um aumento das vendas de 7,3% para 752 milhões de euros.

O volume de negócios da Sonae Fashion subiu 0,4% para 269 milhões de euros, e o do Iberion Sports Retail Group (ISRG) atingiu 262 milhões de euros entre 01 de fevereiro e 04 de agosto, um crescimento de 9,8% em termos homólogos, “devido sobretudo ao desempenho de vendas da Sprinter e JD.

ALU // MSF

Lusa/Fim

Deixe uma resposta