Mais um dia negro na Europa – Até onde podemos ir? PSI20

Tiago Esteves
O PSI20 está a sofrer com as decisões políticas e a conjuntura financeira internacional. Sejamos sérios na discussão, nem a um nem a outro podemos atribuir 100% da responsabilidade do recente movimento brutalmente ascendente dos juros da dívida Nacional. O grande problema para o país, e por consequência para os seus habitantes, passa sobretudo pela enorme visibilidade que a nossa dívida está novamente a ganhar. Ainda recentemente vi, numa das maiores publicações mundiais da especialidade, ser salientado que a dívida Portuguesa poderia estar próxima de uma inversão. É um holofote que não queremos ter apontado, porque depois de se acender dificilmente se consegue desligar novamente. Como se não bastasse, estamos actualmente dependentes de uma única agência de Rating para que o BCE possa continuar a comprar a nossa dívida. E, imaginem…. eles estão cépticos relativamente ao nosso futuro. Se houver uma descida de rating, o BCE fica impedido de comprar a nossa dívida, o que coloca automaticamente os nossos juros ao nível dos da Grécia. Esta eventual explosão nos juros tornaria insustentável o financiamento em mercado sem um novo resgate. É a essa distância que estamos de uma nova intervenção. À distância de uma decisão técnica de uma agência de rating situada no Canadá – a DBRS.

Tecnicamente estamos mal, mas isso também já não é novidade. Após o ressalto terminado em Abril passado, levamos já mais 30% de desvalorização, e não existem também no nosso índice quaisquer sinais de inversão. A passagem no suporte que deu origem ao movimento do ano passado foi um sinal perfeito do que são os suportes num bear market: pouco ou nada, no que toca a deter fortes movimentos descendentes. Tal como disse relativamente aos restantes índices analisados, não há muito para fazer actualmente além de o deixar cair. Neste caso, e olhando para o índice numa óptica de médio prazo, são os 5104 pontos que nos separam de uma inversão de médio prazo. O padrão de lower-highs tem-se mantido inalterado, e a sua quebra seria um excelente sinal de alteração de perspectiva. Em falta de melhor, o que podemos neste momento fazer é mesmo ir buscando sinais desta inversão.

Deixe uma resposta