Martifer – Análise Semanal

Tiago Esteves
A Martifer foi a vencedora da sondagem desta semana. Não deixa de ser assinalável que mais de 100 sondagens depois seja a primeira vez que um título do PSI Geral vence esta corrida, suplantando empresas como a EDP, a GALP e a Zon Optimus! A publicidade de que tem sido alvo esta semana, após a conquista dos estaleiros de Viana, terá ajudado certamente a dar-lhe visibilidade, o que não implica automaticamente que estejamos perante uma boa notícia. Uma das coisas que me levou a escrever sobre a Martifer no final de Julho deste ano (mal sabia eu que durante essa semana ela atingiria o fundo) foi a sua adaptação gradual às renováveis e a desalavancagem financeira. A entrada nos estaleiros de Viana representa nova alavancagem financeira e nova mudança no rumo do core business, o que retira pontos e credibilidade à gestão da empresa.

A análise técnica não quer saber de gestão e aparentemente é da opinião que a Martifer está aí para as curvas! Depois da OPV que colocou a empresa em bolsa, em Junho de 2007, esta começou uma sangria desalmada que lhe valeu uma quebra de 96% desde então (só por curiosidade, na altura a procura excedeu em 197 vezes a oferta! Que tempos loucos…)! Actualmente, momento em que já poucos dos que foram à OPV quererão ouvir falar sobre a Martifer, surgem consistentes e vigorosos sinais de inversão. E esta é precisamente assinalada pelo rei dos padrões, o Head & Shoulders invertido! Não é um H&S qualquer, é um H&S que está na base de uma subida de 90% em três meses, subida que deixa marcas em termos psicológicos. Mas isso nem é o mais interessante deste padrão, o que mais me encanta são os volumes. Assim a olho, os volumes na subida têm sido cerca de 25 vezes superiores aos volumes nas quedas, o que assinala bem a monstruosa força compradora que se está a instalar. É verdade que estamos a falar de uma penny stock, micro cap… mas quando o volume de transacções financeiras ronda o meio milhão de euros num dia não podemos considerar este movimento com fruto de manipulação gratuita!

Numa análise de curto prazo verifica-se que estamos actualmente no que parece ser uma retracção à linha do pescoço anteriormente quebrada. Nem poderia deixar de ser dessa forma, depois da vertiginosa subida de 90% haverá certamente quem esteja a aproveitar para tomar mais-valias. O volume nesta descida tem sido fraco, o que corresponde também ao esperado. Pessoalmente abri uma posição na quebra da neckline, posição que espero manter caso a cotação continue acima do nível do ombro direito. Se houver uma aproximação à zona dos 75 cêntimos, e caso os volumes se mantenham baixos, pondero inclusivé fazer um reforço da posição. Afinal, não é todos os dias que aparece um H&S tão interessante do ponto de vista técnico e com um R/P de 1:4! Ainda assim há que ter bem presente que é fundamental possuir um plano B… Os falsos breaks acontecem, nunca é demais ser prudente!

Comment List

  • Anónimo 07 / 12 / 2013 Reply

    Boas Tiago,

    Excelente análise!

    Também entrei na martifer nessa quebra. E já podia ter retirado mais-valias, mas como tenho o objectivo de +- 1,05€ deixei correr.

    É provável que a acção possa vir aos 0,75€ e caso o faço ponderarei reforçar.

    Como se trata de um negócio com risco, vou seguir uma regra "investir menos em negócios arriscados".

    Abraço,
    André

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 07 / 12 / 2013 Reply

    Olá André,
    É uma excelente regra! A volatilidade implícita a este género de activos pode ser brutal, o que por si só implica uma enorme pressão psicológica se lhe estiver dedicada uma parte muito pesada da carteira. Negociando com menos dinheiro estás mais à vontade para aguentar o respirar do mercado, podendo assim potenciar-se o ganho de médio prazo.
    Estou confiante neste padrão, espero que a Martifer não nos desiluda 🙂
    Abraço,
    Tiago

  • Tomás Peixoto 14 / 12 / 2013 Reply

    Olá Tiago,

    Sou o Tomás. Ainda estou a dar os primeiros passos neste mundo. Tinha algumas dúvidas que agradecia se me pudesses tirar sobre a análise desta acção. As dúvidas são:
    1- O que significa um R/P de 1:4?

    2- Dizes que farias um reforço na zona dos 0,75 cêntimos caso o volume de negócio se mantenha baixo. Qual seria a diferença caso o volume de negócios fosse alto e porque é que já não fazias um consequente reforço..?

    3- Dizes que os volumes na subida são 25 vezes superiores ao volume na queda. Que isto revela uma monstruosa força compradora. Pelo que já percebi das acções para alguém comprar, alguém tem que vender. Então da mesma forma que dizes que revela uma grande força compradora, também posso dizer que revela uma grande força vendedora, certo?
    Desculpa lá se esta última pergunta é um bocado básica. Obrigado.
    Cumprimentos

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 14 / 12 / 2013 Reply

    Olá Tomás! Não te preocupes, as tuas perguntas não são de todo descabidas. Por partes:
    1- Risk/Profit. Significa que por cada euro arriscado existe o potencial de ganhar 4. Este cálculo é feito com a relação entre a zona de stop e a projecção.

    2- Se as cotações descessem à zona dos 0,75 com volume alto significaria que a pressão vendedora seria muito elevada, o que não é um sinal muito positivo para uma retracção técnica. O volume de quinta-feira foi preocupante a partir desse ponto de vista!

    3- Na sequência da questão anterior, o teu raciocínio é quase acertado mas falta-te um pormenor. Se a pressão compradora fosse exactamente igual à vendedora, quando houvesse mais negócios teríamos de facto mais volume mas o preço não mexeria. Os negócios eram sempre feitos ao mesmo preço, que seria considerado justo por compradores e vendedores. Isso significaria que a pressão vendedora equilibraria a pressão vendedora. Quando um pico de volume ocorre num dia de subidas isso significa que os compradores têm de pagar mais para conseguirem fazer o negócio, porque os vendedores não estão dispostos a abdicar da sua posição por pouco dinheiro. Quanto maior é a subida e mais forte é o volume, mais relevante é o desiquilíbrio entre a pressão compradora e a vendedora, o que significa que menos pessoas acreditam numa queda do título. O mesmo é verdade de forma inversa.
    Cumprimentos,
    Tiago

  • Rui Barradas 24 / 12 / 2013 Reply

    Caro Tiago,

    Gostava de ter a sua opinião (estou dentro e sem stop):

    Duas velas verdes desde o inicio do mês e consequente quebra em baixa a neckline. Ontem faz uma doji.
    Hoje espera a formação da doji morning star ou a quantidade de noticias nos media deixou-a ferida de morte?

    Cumprimentos

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 24 / 12 / 2013 Reply

    Olá Rui,
    Pessoalmente não me preocupa em excesso o facto de a neckline ter sido quebrada em baixa, isso tem acontecido com alguma frequência nos H&S mais recentes. Preocupar-me-à mais se o ombro for quebrado em baixa, aí ficamos com porta aberta para os mínimos. Até que isso aconteça tudo indica que a tendência de alta se mantém e que estamos só a viver uma correcção mais severa. Se os 63 cêntimos quebrarem assumo o erro e saio. Como a minha entrada foi feita tendo por base um padrão de médio prazo prefiro não me guiar pelas velas individuais. O mesmo em relação às notícias, nem quero ouvi-las para não me prejudicarem o raciocínio!
    Boa sorte e bom natal!

Deixe uma resposta