O caminho para a ruína – ACO

Tiago Esteves

Decidi escrever este pequeno texto depois de ter constatado que existem muitas pessoas a misturar a realidade com a ficção e a transportar as estratégias de investimento do JB2008 para as suas contas reais.

Antes de mais um esclarecimento: Quando uma empresa como a patrocinadora do jogo em questão promove um evento do género, é normal que o faça salvaguardando que recolherá mais-valias no fim de todo o processo. O que é que eles ganham com todo este jogo? A ideia é mostrar aos clientes como é fácil utilizar a plataforma e ganhar muito dinheiro a negociar com os produtos apresentados.
E se é para angariar clientes, então estes têm de ser educados da melhor forma. Numa conta real, a corretora ganha tanto mais quanto mais os seus clientes transaccionarem. Não só pelas comissões mas também pelos spreads. Então, o jogo tem de estimular o overtrading e a alavancagem, pois é impossível atingir patamares suficientemente elevados para ganhar um prémio sem ser desse modo (pelo menos a alavancagem, o overtrading é mais discutível).

Longe de estar a tentar criticar a organização (pelo contrário, este género de iniciativas é salutar, mas toda a gente deve estar esclarecida dos riscos que corre), a minha ideia é alertar os que vão ter uma experiência positiva no jogo e que eventualmente partirão mais tarde para o real trading.
Assim sendo, vou falar de três factores muito importantes, muitas vezes desconhecidos ou menosprezados pelos iniciados. São eles a alavancagem, o overtrading e o countertrend.

Alavancagem
Começo pela alavancagem por ser sem dúvida a mais perigosa. Capaz de despertar em cada investidor, a mais pura e vil ganância. Para quem não sabe, a alavancagem é o método que nos permite ter uma exposição total superior ao montante investido. Com um exemplo fica mais fácil. Imaginem que eu tenho mil euros na conta e quero investir tudo na queda do índice SP500 utilizando CFD’s. Como esse CFD me requer 5% de margem, ao cobrir essa percentagem com os meus 1000 euros, vou ter uma exposição de 20.000€! No fundo, a alavancagem é utilizar o nosso dinheiro como garantia, sendo que o resto é-nos emprestado para investir. Neste caso específico, a alavancagem seria de 20 vezes (A exposição real é 20 vezes superior ao montante necessário para a cobrir).
E onde está o perigo deste tipo de instrumento? Se o índice tiver uma oscilação de 5% para baixo, eu vou duplicar os meus 1000€. Mas se subir 5%, os meus 1000€ passarão a ser Zero!
Claro que é aliciante conseguir negociar com 1000€ como se tivéssemos 20 mil. Os lucros podem ser astronómicos, e é nisso que as nossas mentes sonhadoras nos levam a pensar. O problema é que os movimentos contrários (e às vezes muito bruscos) também acontecem e depois já não há nada a fazer.

Overtrading
O overtrading passa por negociarmos vezes demais, muitas vezes na tentativa de recuperar perdas. Hoje em dia é tão fácil negociar que facilmente caímos nesta armadilha.
No fundo, todos nós detestamos perder. E estar errados… É um dos problemas mais comuns da comunidade investidora. E para recuperar pequenas perdas ou tentar somar alguns lucros, negoceia-se à pressa, sem regras de entrada nem de saída. Basicamente “tem-se esperança” que algo aconteça. E quando se negoceia nessa base, raramente as coisas resultam.
O overtrading também tem outra variável, que é a de colmatar o vício de jogadores de muitos traders. Quando não conseguimos estar afastados dos mercados, com o nosso capital parado à espera de uma tendência definida, entrando e saindo erraticamente de papéis que pouco nos dizem, provavelmente estamos à procura de adrenalina e não de lucros.
Se assim é, o melhor é parar para pensar e redefinir estratégias

Countertrend
Deixei este para o fim por ser o mais carismático e o que mais se relaciona comigo (é notório, pelo nome do meu blogue).
Negociar countertrend é contrariar a tendência principal de um determinado título ou índice. Uma das primeiras regras que eu aprendi neste mundo dos mercados foi: “Se nunca contrariares a tendência vigente, podes não saber mais nada, mas tens grandes hipóteses de te dares bem”.
Realmente é assim tão simples como isso. Não deixo de me sentir frustrado por ver repetidos milhares de vezes comentários do género “comprei porque já caiu tanto, não pode cair muito mais”. Frustrado porque já repeti dezenas de vezes e em diversos sítios diferentes que não há nada de lucrativo em tentar adivinhar fundos. Se as coisas estão a cair, é porque têm uma razão para cair. Nada cai por acaso. E se fosse altura de começar a subir, o que nos faz pensar que seriamos nós os primeiros a descobrir isso? Porquê essa necessidade de comprar nos mínimos e vender nos máximos?
Mais uma vez, a ganância. As nossas contas são simples: “se eu tivesse comprado a empresa X no fundo e a vendesse no pico… ora, isso são 250%, multiplicado pelo meu capital… que bela casa que eu comprava!”
Isto enfia-se pelos inconscientes adentro e é só tentar comprar fundos…
Regra geral, isso não resulta. E quando resulta, é uma questão de tempo até deixar de resultar e os lucros se evaporarem da mesma forma milagrosa que apareceram.

Deixe uma resposta