O que se espera de BCP e CTT no curto prazo?

Tiago Esteves

Na sequência das recentes análises ao BCP e aos CTT, aproveito este post para actualizar os seus gráficos horários. Como é sabido, defendo que neste timeframe se conseguem prever com maior sensibilidade os grandes movimentos de inversão, pelo que importa sempre manter um olho atento aos mesmos.

BCP

Começando pelo BCP, pode verificar-se pela imagem abaixo que o título continua a progredir de forma consistente no sentido ascendente, tendo criado desde a última análise um suporte que nos pode servir de referência. A ser quebrado em baixa o ponto dos 23,87 cêntimos, poderemos ver o título a aproximar-se da zona dos 22 cêntimos, originando uma correcção de curto prazo. Contudo, para já nada indicia que esse caminho possa vir a ser seguido. Numa óptica de médio prazo, é o ponto mínimo que deu origem a este padrão de inversão que nos deve servir de guia. Enquanto os 19 cêntimos mantiverem a sua integridade, o título continuará a progredir no sentido ascendente

CTT

Nos CTT o cenário de curto prazo não é tão optimista como o que se vive no BCP. Não há uma forma mais clara de dizer isto: os CTT estão fracos e sem grande força compradora. Olhando ao que aconteceu neste timeframe nos últimos dois meses, podemos observar vários aspectos que apontam nessa direcção. Olhando de uma forma global para a imagem e para os suportes/resistências assinalados, podemos ver que o preço tem passado a maioria do tempo encostado aos suportes. Isso significa que a pressão vendedora é bastante superior à compradora. Por outro lado, podemos ver duas tentativas falhadas de quebra deste ciclo negativista. As setas amarelas da imagem assinalam dois padrões de inversão formados e activados. Ambos atingiram a projecção expectável, o que já é um bom princípio, mas falharam depois em dar seguimento ao movimento que se poderia ter gerado. A cotação aproxima-se agora novamente da zona de suporte, e uma vez mais parece preparar-se para fazer novos mínimos (tem sido assim sempre que a parte descendente deste canal é visitada em baixa). Pode até ser que o bom momento global do mercado ajude o título a gerar nova reacção ascendente, mas para já tudo indicia que a importante zona de resistência situada entre os 5,24 e os 5,26 euros não está para ser quebrada. Por outro lado, se o mercado porventura entrar num momento menos bom, o suporte pode mesmo vir a ceder. Há que manter atenções redobradas. 

Deixe uma resposta