Obrigações FC Porto SAD 6,75% 2014-2017

Tiago Esteves

Tiago Esteves

, Sem categoria
A SAD do Porto vai emitir novo empréstimo obrigacionista, com um valor inicial de 15 milhões de euros. Este montante poderá ser aumentado caso se veja que a procura supera largamente a oferta (até 20 milhões). A subscrição destas obrigações arranca hoje e prolongar-se-à até ao próximo dia 3 de Junho (inclusivé). Ao contrário de outros empréstimos obrigacionistas, neste caso não haverá uma vantagem directa no rateio para quem fizer a subscrição no primeiro dia. No entanto, há que alertar para uma particularidade importantíssima neste processo! Enquanto houver obrigações, está toda a gente em pé de igualdade para o rateio. No dia em que acabarem, fecha-se a porta….

Imaginemos o seguinte cenário, partindo do princípio (para facilidade da explicação) que o Porto não exerce a opção de aumento do montante a emitir. No primeiro dia são subscritos 7 milhões de euros, no segundo dia outros 7 e no terceiro dia mais 7 milhões. No final da subscrição todos os investidores que fizeram o pedido nos três primeiros dias partem em pé de igualdade para o rateio. Porquê? No final do segundo dia só tinham sido subscritos 14 milhões, estando por isso abaixo do limite necessário. Avança-se então, em termos de distribuição, para as ordens apresentadas no dia útil seguinte. Imagine-se que durante a manhã são atingidos os 15 milhões e só de tarde se avança para os 21. É indiferente, consideram-se em pé de igualdade todas elas, não havendo prioridade para nenhuma das ordens apresentadas anteriormente. Isto levanta duas questões, muito importantes:

– É importante fazer-se a subscrição na primeira semana, dificilmente quem apresente a ordem na segunda semana conseguirá entrar no rateio;
– O rateio será provavelmente muito abaixo do que geralmente se verifica. Não era raro ver obrigações do Porto com procura 8x superior à oferta. Desta vez dificilmente se verificará tal cenário, já que as ordens dos últimos dias dificilmente entrarão para o rateio. Significado prático? Se querem 5 mil euros não peçam 50 mil, o risco de ficarem com 40 mil é significativo. Para os que entrarem no rateio, apostaria (número “cozinhado” em conjunto com o especialista em obrigações Dinis Barbosa) num rateio de 1,25-1,43:1. 

As obrigações da Porto Sad constituem geralmente um bom negócio, já que o mercado lhes atribui um risco semelhante ao que atribui às empresas mais tradicionalistas. Essa diferença entre a notação financeira e a cotação verificada em mercado secundário leva-me a acreditar que no mercado secundário lhes será atribuída uma yield a rondar os 5,5%. Se assim for, existe um prémio potencial face ao preço de subscrição que rondará os 1,25%/ano, potencial esse que poderá empurrar a cotação para os 103-104% rapidamente.

Aproveito este post para deixar um alerta aos menos experientes na negociação de obrigações. Estudem o tema antes de entrarem neste mercado, tem diversas particularidades. Na semana passada (para criar liquidez) vendi as obrigações continente 7% que tinha em carteira, e que são reembolsadas dentro de sensivelmente um ano, por 106,25%. Significado? Quem mas comprou receberá, por ficar com as obrigações em carteira durante um ano, uma taxa bruta a rondar os 0,75%. Descontadas taxas e impostos, a pessoa que fez a compra irá ter prejuízo por ter as obrigações em carteira durante um ano inteiro. Não foi sequer um erro ou um negócio isolado, inexplicavelmente o mercado continua a atribuir-lhes 106% de cotação. Eu não posso deixar de estar agradecido, mas espero que nenhum leitor deste espaço faça negócios destes. Quando não conhecemos um instrumento, é preferível deixá-lo de parte.

Saiba mais sobre o mercado obrigacionista, inscreva-se já no próximo workshop de introdução aos mercados financeiros

Comment List

  • Daniel Pires 21 / 05 / 2014 Reply

    Bom Post Tiago

    Infelizmente nao precebo quase nada de negociação de obrigações pelo que este post é muito interessante para mim.

    Sei que uma carteira diversificada requer "em alguma" altura especifica obrigações de modo a diluir a volatilidade do risco que dia a dia operamos.

    Por acaso gostava de aprender mais sobre obrigações e a sua negociação bem como saber onde posso subscrever /revender obrigações, quais as taxas inerentes / impostos, etc, bem como tentar perceber qual o seu rateio.

    Aguardo ansiosamente mais post's relativos a obrigações

  • Neo Fun 21 / 05 / 2014 Reply

    Boa tarde,

    Terá liquidez suficiente para quem depois quizer as vender depois desta operação ?
    Qual a experiência nas operações anteriores ?.
    Obrigado.
    Carlos

  • Pickbull 21 / 05 / 2014 Reply

    Viva Tiago,

    Julgo que tens aí umas imprecisões.

    A primeira das quais, mas esta talvez me tenha escapado do prospeto, é sobre o montante máximo que o Porto pode pedir. Não encontro em nenhum lado que sejam 20M ou 30M. Pela leitura até parece ser "ilimitado" (mas geralmente isso fica decidido em assembleia).

    A outra é sobre o facto de não ser importante subscrever no 1º dia. Se for tudo subscrito no 1º dia apenas os que tenham pedido nesse dia terão direito ao rateio. Todos os restantes (2º dia em diante) levam com os mínimos (sendo que até podia ser possível, em teoria, não levarem nada).

    Quanto ao rateio arriscaria qualquer coisa como 1,00-1,20:1.

    Abraço e bons negócios.

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 21 / 05 / 2014 Reply

    Olá Daniel,
    Aconselho-te a participares no workshop de introdução, o Dinis é um perito em obrigações! É uma excelente forma de começar nesse mundo.

    Carlos,
    Sim, tem imensa liquidez, dado o valor nominal ser bastante reduzido. Não tem comparação com outras, de maior valor nominal

    Pickbull,
    Os 20 milhões não estão referidos no prospecto, é verdade, mas são o montante máximo.
    No que diz respeito à prioridade de subscrição no primeiro dia, tens razão, inclusive posso-te adiantar que já esgotaram por muita larga margem. O rateio será bem superior ao que eu tinha previsto inicialmente

  • Pickbull 21 / 05 / 2014 Reply

    Onde é que se consegue acompanhar os montantes e n.º de subscritores?

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 21 / 05 / 2014 Reply

    Essa informação é comunicada à CMVM. Neste caso não sei se vão existir comunicações diárias

  • Anónimo 21 / 05 / 2014 Reply

    Qual a sua opinião sobre o risco destas obrigações ?O prêmio e interessante no entanto as notícias sobre as dificuldades financeiras dos clubes de futebol podem tirar umas noites de sono.

  • Paulo Cleto Silva 21 / 05 / 2014 Reply

    Parabéns pelo post!

    Uma alternativa interessante, com taxas superiores aos depósitos a prazo e de baixo risco.

    Bons negócios.

  • Tenho a impressão que estás equivocado quanto à "novidade" do sistema de rateio: é igualzinho à da emissão de 2012 (o rateio, na altura, não chegou aos 70%)

  • Hugo O'Neill 22 / 05 / 2014 Reply

    Pode não ter sido campeão este ano, mas as obrigações parecem ser muito atrativas!

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 22 / 05 / 2014 Reply

    Caro anónimo,
    O risco neste caso não é desprezível, estamos a falar de uma empresa que tem os seus activos mais valiosos a correrem num campo com pessoas constantemente a tentarem deitá-los abaixo. A falência técnica também não deve ser ignorada! Mas se me perguntar se a empresa vai à falência nos próximos três anos, digo-lhe que na minha opinião a possibilidade de isso acontecer estará abaixo de 0,5%. No entanto não pode ser esquecida a realidade dessa possibilidade, daí o juro ser superior ao das restantes empresas no mercado.

    Obrigado Paulo.

    José,
    Atenção que eu não disse que o sistema era novo, apenas diferente do habitual. De facto é igual ao sistema usado na anterior emissão, mas provavelmente apenas as pessoas que foram no primeiro dia do rateio de 2012 se terão apercebido das diferenças para o que tem sido habitual. Daí o meu alerta para essa questão. Pelos vistos nem o alerta foi suficiente, a julgar pelos níveis de procura verificados no primeiro dia.

    Verdade Hugo, concordo totalmente

  • Pickbull 22 / 05 / 2014 Reply

    Viva Tiago,

    A procura no 1º dia foi de quantos milhões de euro?

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 22 / 05 / 2014 Reply

    Pickbull,
    Oficialmente ainda não existem dados concretos sobre a procura no primeiro dia.
    Abraço

  • Anónimo 22 / 05 / 2014 Reply

    Olá Tiago
    Mas já agora existe forma de saber em quanto vai a procura? Ou quando serão divulgados os primeiros dados da procura?
    Obrigado
    😉

  • Anónimo 23 / 05 / 2014 Reply

    Não sei se interessará de muito (neste momento) mas a procura, como era expectável, ultrapassou largamente a oferta, e objectivamente no 1º dia.

    Embora reconheça como válidas as informações prestadas no texto, parece-me que escapou ao autor o enquadramento da actual taxa da emissão face às alternativas em mercado. Fazendo o paralelo com a Benfica SAD, que emitiu em Abr2013 a 7,25%, esta solução é muito, mas muito mais aprazível.

    (O paralelo com a Sporting SAD é mais dificil, uma vez que as mesmas liquidam em Novembro…)

    Eu apostaria num valor a rondar os 125M€. Ou seja, 8 vezes a oferta (ou 6x, caso a FCPorto SAD opte pelo aumento até 20M€).

    o que é dito no texto, é objectivamente verdade, e os investidores portugueses não parecem perceber é o risco associado a esta emissão (como em todas que dizem respeito a SAD's).

    E por divertido que possa parecer, para esta emissão ajustar à yield da benfica SAD, o preço em mercado vai escalar até 104/105%, e não vai demorar muito.

    Saudações.

    RDS.

    P.S. – aproveito para adicionar uma opinião muito pessoal – o timming desta colocação foi 'horrivel', caso contrário a procura teria atingido valores 'estratosféricos'. O 'desincentivo' comercial aos balcões do BES e BCP foi gritante, e lamentável – os aumentos de capital que se aproximam não deveriam ter condicionado a desinformação objectiva sobre esta emissão – mas a vida tem destas coisas.

  • Pedro Teixeira 23 / 05 / 2014 Reply

    Bom dia,

    Sobre o rateio deve-se tambem ter em conta que serão sempre atribuidas 200 obrigações a cada ordem de subscrição.

    Cito pagina do Banco Responsavel pela emissão:

    "Rateio

    Se o total de obrigações solicitadas for superior ao número máximo de obrigações disponível, proceder-se-á a rateio das mesmas, de acordo com a aplicação sucessiva, enquanto existirem obrigações por atribuir, dos seguintes critérios:

    atribuição de 200 obrigações a cada ordem de subscrição (ou do número de obrigações solicitadas, no caso de este ser inferior a 200). No caso de o número de obrigações disponível ser insuficiente para garantir esta atribuição serão satisfeitas as ordens que primeiro tiverem dado entrada no sistema de centralização de ordens da Euronext Lisbon (estando, para este efeito, em igualdade de circunstâncias todas as ordens que entrarem num mesmo dia útil). Relativamente às ordens de subscrição que entrarem em sistema no dia útil em que for atingido e ultrapassado o Montante Máximo da Emissão, serão sorteadas as ordens a serem satisfeitas;
    atribuição das restantes obrigações solicitadas em cada ordem de subscrição de acordo com a respetiva data em que deram entrada no sistema de centralização de ordens da Euronext Lisbon, sendo dada preferência às que primeiro tenham entrado (estando, para este efeito, em igualdade de circunstâncias todas as ordens que entrarem num mesmo dia útil). Relativamente às ordens de subscrição que entrarem em sistema no dia útil em que for atingido e ultrapassado o Montante Máximo da Emissão, será atribuído um número de obrigações adicional proporcional à quantidade solicitada na respetiva ordem de subscrição, e não satisfeita pela aplicação do critério anterior, em lotes de 1 obrigação, com arredondamento por defeito.
    atribuição sucessiva de mais 1 obrigação às ordens de subscrição que, após a aplicação dos critérios anteriores mais próximo ficarem da atribuição de 1 lote adicional de obrigações. No caso de o número de obrigações disponível ser insuficiente para garantir esta atribuição, serão sorteadas as ordens a serem satisfeitas."

    Cumprimentos

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 23 / 05 / 2014 Reply

    Caro RDS,
    Excelente ponto de vista, muito obrigado pelo contributo. Concordo sobretudo com o PS, não deveria existir uma influência negativa e sobretudo enganosa…
    Dois pontos com os quais não concordo:
    – É verdade, a procura superou largamente a oferta no primeiro dia de subscrição. Sabemo-lo agora, mas era imprevisível à partida. Na última emissão houve, no primeiro dia, uma procura de 20 milhões de euros. A taxa oferecida era claramente superior, e o Porto estava futebolísticamente melhor (os investidores tendem a confundir salubridade desportiva com financeira). Não seria previsível uma procura no primeiro dia tão acima desse marco dos 20 milhões. É verdade, subestimei a falta de melhores alternativas no mercado…

    – Geralmente o mercado atribui às obrigações do Porto uma yield superior às do Benfica. Fiz a estimativa da yield tendo por base no que se pratica actualmente no mercado secundário para a emissão anterior. Acredito que chegue aos 104% na primeira ou segunda semana de negociação, duvido que chegue aos 105. Mas espero estar enganado 🙂

    Pedro,
    Esse ponto não me é absolutamente claro, mesmo depois de o ter já lido umas 10 vezes 🙂 É verdade, foi o que aconteceu na emissão passada e é provável que volte a repetir-se. Mas continuo a achar que a interpretação pode ser dupla.

    Cumprimentos

  • RDS,
    Em que te baseias para classificar "muito, mas muito mais aprazível" uma taxa de 7.25 versus uma de 6.75 ?

    Tiago,
    Onde (e em quê) vês lugar para uma interpretação "dupla" ? Todos e cada um dos participantes tem direito a 200 (ou as que pedirem, se menos), a não ser que não haja qtd para isso (e, nesse caso, vão se atribuindo as 200 até ao dia em que já não der para satisfazer, e neste há rateio – e acaba aqui o processo); depois disto,(e como, pelos vistos, a procura ultrapassou a oferta logo no 1.º dia), é realizao rateio apenas para os pedidos do 1º dia

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 24 / 05 / 2014 Reply

    José,
    É precisamente nessa questão. A minha primeira interpretação tinha sido no sentido de só ser distribuida a quantidade mínima a quem foi ao rateio nos dias seguintes caso houvesse disponibilidade após satisfeitas as ordens do dia em que a quantidade máxima foi solicitada. Mas admito que a segunda interpretação faz mais sentido, primeiro distribui-se o mínimo por toda a gente e depois é que se vai preencher as ordens do primeiro dia (neste caso).

  • Jose Graca 24 / 05 / 2014 Reply

    Olá Tiago,

    Também concordo com o que entendes como ser a tua segunda interpretação da distribuição das obrigações.

    Abraço
    José graça

  • Pedro Teixeira 26 / 05 / 2014 Reply

    Bom Dia,
    Desde já um agradecimento pelo trabalho que faz neste forum, dando analises e informações tantas vezes dificeis de encontrar.
    Acompanho semanalmente o forum, e agora diariamente por querer investir no BES e nas Obrigações do FCP.
    Em relação a estas Obrigações o rateio , na minha interpertação, deverá ser pelo menos 200 por ordem, tal como na ultimo empréstimo obrigacionista, seja a ordem no 1 ou ultimo dia. Mas é facto que nada é claro no texto, sendo sugeito a multiplas interpertações.

  • Pedro Teixeira 26 / 05 / 2014 Reply

    Apesar do risco, pelo facto da SAD estar em falencia tecnica, existir, vamos ser realistas. Alguem acredita que o FCP abra falencia ou entre em default?
    O Sporting em piores condições não entrou e estavamos no maximo da crise… Está em causa uma emissão de 15 milhões de euros. Só o passe do Mangala vale pelo menos 25 milhões. O FCP não irá incumprir e requerer a insolvência por causa deste valor
    A Taxa é extremamente actrativa quando comparada com depositos a prazo e mesmo em investimentos de longo prazo nas bolsa. E é a esse mercado que o FCP foi buscar os investidores. E sim acredito que os preços de mercado irão escalar até 105%, na primeira semana.

  • Anónimo 27 / 05 / 2014 Reply

    Boas tardes,

    João nogueira dos Santos, as minhas desculpas pela demora na resposta á sua questão.

    Vamos imaginar que o individuo A trabalha em banca de investimento, e que está semanalmente exposto às condições de mercado para os diversos veículos de investimento, e na sugestão/gestão das carteiras avalia as diferentes alternativas que o mercado lhe proporciona.

    Em Abril de 2013 o mercado proporcionou a emissão de Benfica SAD, 3 anos, 7,25%, ou se preferir, 5,22% liquidos. Que alternativas tinham os investidores? Tinham depósitos a taxas que rondavam os (3,25% a 3,75%), papel comercial na casa dos 4,65%, yields dos principais emitentes portugueses entre(3,50%-4,30% liquidos) e sobretudo yields das OT's que para 4/5 anos ainda estavam acima dos 5% liquidos…

    Em Maio de 2014, o que têm esses mesmos investidores face aos 4,86% de yield liquida da FCPorto SAD? Depósitos entre (1,80%-2,95% brutos), papel comercial quase inexistente, e yields obrigacionistas a rondar os 2 liquidos, incluindo as OT's.

    Mais ainda, têm as obrigações da SportingSAD de viva saude, e a obrigações da Benfica SAD a transaccionarem a 105% (e Mota-Engil a transaccionar a 106,40%… etc).

    O que quero mostrar é que uma emissão não vale apenas per si. Vale sobretudo face aquilo que o mercado tem para oferecer no momento.

    É com a totalidade do mercado que o individuo A que referi acima tem seleccionar os investimentos para as suas carteiras.

    Quando os dados forem tornados publicos, sugiro que analisem que bancos colocaram que valores. Acho que esses dados serão elucidativos.

    RDS

    P.S. – os dados que referi acima sobre 2013 serão aproximados, mas presumo que expliquem o essecial. A proposito, penso que já deixei isso claro anteriormente, as comparações face ao mercado pecam sempre por 'descuidadas' no factor risco, mas procurei apenas descrever a minha opinião sobre a realidade. Questões como 'Será melhor uma yield EDP de 2,00% liquidos a 3 anos, ou uma da FCPSAD a 4,86%?' são importantes, mas não reflectem a principal preocupação dos investidores… 🙂

  • RDS,
    OK, percebido o teu ponto de vista. Obrigado.

    Para todos e cada um (que queira):
    indicações "frescas" (e credíveis) sobre a procura – nomeadamente, pois é isso o que verdadeiramente interessa, número total de ordens e qtd pedida no primeiro dia ?

  • Filipe Quintas 04 / 06 / 2014 Reply

    Boa tarde,

    Uma questão relativamente Às obrigações continente 7%.
    Como o cupão de Julho ainda não foi pago (metade dos 7% de juros, logo 3,5%) e depois disso quem comprou as obrigações ainda vai receber mais 2 cupões (7%), será que as contas estão bem feitas (quem comprou apenas vai ter uma taxa bruta de 0,75%)?

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 04 / 06 / 2014 Reply

    Filipe,
    Esse raciocínio fica condicionado pelo juro corrido. Só seria assim se não existisse juro corrido. Não é o caso nas obrigações continente.
    Cumprimentos

Deixe uma resposta