Obrigações Mota Engil – Vale mesmo a pena pensar nisso?

Tiago Esteves
Numa fase em que os depósitos a prazo se voltam a aproximar da rentabilidade zero, todas as opções que ofereçam um ganho ligeiramente superior são bem-vindas. Mas convém observar atentamente o que é oferecido, pois poderá dar-se o caso de existir uma tendência para o aproveitamento.
Respondendo à pergunta do título, é sempre de ponderar. Será a melhor solução, esta que agora chega a público? Não creio… Mas vamos por partes! Existem neste momento pelo menos três formas de investir em dívida desta empresa, todas com  níveis de atractividade distintos. 
Troca de títulos
Existe a possibilidade de trocar a emissão com maturidade em 2016 pela nova emissão, havendo para isso direito ao pagamento de um prémio compensatório no valor de 14,64€ por cada obrigação. Considerando que o valor nominal é de 500€, este prémio corresponde a uma taxa bruta que ronda os 2,9%. Mesmo considerando o actual preço de mercado desta emissão, a cotar cerca de 1,5% acima do par, poderá ser uma troca interessante para quem tivesse comprado na emissão e queira liquidar o vínculo com a empresa. Neste cenário, os remanescentes 1,4% compensam o imposto que terá de ser pago pelo recebimento do prémio, mas que também teria de ser pago pela mais-valia caso a liquidação acontecesse agora. Dada a marginalidade deste ganho, deverá ser visto caso a caso se as condições de negociação do banco e respectivas comissões não se encarregariam de cobrir a diferença. Assumindo uma comissão equivalente para a troca e para a venda, em caso de desejo/necessidade de liquidação definitiva imediata poderia existir aqui uma discreta vantagem. 
Para quem está fora, vale a pena tentar fazer arbitragem? Na minha opinião não, a margem é demasiado pequena para compensar a dor de cabeça. 
Para quem está dentro e pretende manter o vínculo de obrigacionista para além de 2016, é uma opção mais vantajosa do que recorrer em 2016 ao mercado para adquirir a nova emissão? Considerando a actual YTM a rondar os 4,75%, compensa manter esta emissão caso se acredite que a nova emissão esteja a cotar ao par ou abaixo disso na altura do vencimento da mesma. Só não será compensatório se em 2016 a nova emissão estivesse a cotar acima dos 102%. Se fosse vantajoso para a empresa que a emissão fosse mantida, porque haveriam de oferecer um prémio para os investidores venderem essas posições…?
Subscrição de novos títulos
Tal como disse relativamente ao Sporting e ao Porto, não faz sentido esperarmos por uma procura muito grande em determinada emissão quando o risco percebido numa emissão actual é superior ao da emissão que vai chegar ao mercado. Simplificando, se posso comprar em mercado secundário obrigações da mesma empresa com uma Yield de 4,75%, faz sentido submeter-me à incerteza de um rateio para adquirir obrigações que rendem 3,9%? Não muito, na minha opinião, a menos que tenhamos a noção de que o ciclo de embaratecimento do dinheiro se vai manter muito para além de 2017. E eu, pelo menos, não estou assim tão seguro disso…
Compra de dívida sénior OTC
Uma coisa que me tende a chatear é a tentativa de oferecer gato ao público quando há lebre para os institucionais. A Mota Engil promoveu recentemente duas emissões seniores para institucionais com um cupão de 5,5% que ainda agora têm uma yield superior a 4,5%. Porque haveria eu de comprar uma obrigação simples no mercado, se posso comprar uma sénior via OTC com maturidade em 2019 que me paga mais? Simplesmente não faz sentido! As únicas desvantagens destas emissões seniores passam pela dificuldade de aquisição, baixa liquidez, e custo nominal (entre 10 e 50 mil euros). Para quem se quer expor à dívida desta empresa em pelo menos 10 mil euros e pretende comprar para ser reembolsado na maturidade, esta é sem dúvida a opção mais viável na minha opinião. Não só pela atractividade do juro, mas sobretudo porque estamos a falar de uma emissão de dívida sénior. Lembram-se do que aconteceu no BES? Quem tinha dívida simples teve uma perda total, quem tinha obrigações sénior não perdeu um cêntimo. Não estou a querer comparar o BES à Mota Engil, mas não valerá a pena pensar nisso?

Comment List

  • Maria Inês Campos 18 / 06 / 2015 Reply

    Boa noite,

    Não consigo encontrar as obrigações Mota-Engil 5,5%, para comprar no OTC.

    Existem títulos que poderão não ser comercializados por alguns bancos?

    Cumprimentos

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 19 / 06 / 2015 Reply

    Maria,
    Podem é não estar listadas no site. Ligue para a sala de mercados do banco e peça-lhes ajuda.
    Cumprimentos

  • Anónimo 27 / 07 / 2015 Reply

    Boa tarde Tiago
    Em relação a negociação de obrigações, nem sempre é muito fácil arranjar informações relativas a estas ou estar a par de possíveis emissões e também nem sempre os sites dos bancos apresentam todas as obrigações disponíveis em mercado secundário. Por isso gostava, que se possível, desses umas dicas onde costumas consultar essas informações ou onde te colocas a par das obrigações que existem em mercado secundário, etc.
    Grato pela atenção Tiago
    Cumprimentos
    R. Mendes

Deixe uma resposta