Os CTT já conheceram melhores momentos

Tiago Esteves
Continuando o tour pelo sector das comunicações, vejamos hoje o cenário nos CTT (que faz também  discretamente parte do sector bancário). Quem viu esta empresa em 2014, que subia como se não houvesse limite, não diria à primeira vista que ela iria passar por um ciclo negativo.
 Estamos já 38% abaixo do ponto máximo e, se considerarmos que este título é pouco volátil, a queda é já bastante assinalável. Na última análise tinha indicado que os 7,6€ seriam o ponto mínimo a ultrapassar antes de a tendência se inverter. Os pontos de referência desceram entretanto um pouco mais, e seria agora suficiente ver os 6,95€ serem quebrados para que a tendência de curto prazo se invertesse.

Não há ainda no gráfico horário quaisquer sinais de que esta inversão possa estar para surgir. Estamos em mínimos, e nada leva a crer que as próximas semanas venham a ser mais positivas. Mas o mercado tem ciclos, e raros são os ciclos que levam um título a passar a sua vida útil em tendência constante (apesar de alguns aparentemente se esforçarem para manter um estado de desvalorização contínua – só de repente lembro-me de meia dúzia). Este ciclo descendente terminará um dia com elevado grau de probabilidade. Contudo, não é ainda o caso, e é portanto necessário ter elevada prudência enquanto o ciclo descendente continuar a durar. Quando o ciclo decidir inverter, teremos tempo de acompanhar o movimento.

Deixe uma resposta