Os testes de stress na banca e a corrida por capital

Tiago Esteves
Os testes de stress à banca portuguesa estão aí à porta e as instituições parecem algo preocupadas com essa questão. Diz-se que estes testes serão mais duros que os anteriores… Eu diria que são os primeiros verdadeiros testes de stress!
Se não é mentira que a banca portuguesa tem vindo a reforçar capital, e que os rácios de solvabilidade se encontram a níveis há muito não vistos, não é menos verdade que alguns dos pontos de debilidade continuam em aberto. Temos, à cabeça, o crédito malparado. Este subiu para os 5,2 mil milhões de euros no primeiro trimestre do ano, representando o imobiliário uma fatia considerável dessa tarte. E o imobiliário, a entrarmos em deflação na zona Euro (já é real, em Portugal), será em breve um problema ainda mais cabeludo.

Os bancos que foram forçados a pedir ajuda estatal têm feito um esforço enorme para devolver rapidamente o dinheiro, já que o juro cobrado é assustador. Aproveitando-se das condições favoráveis do mercado accionista e obrigacionista, parecem agora preparar-se para angariar capital de forma agressiva. Esta semana foi noticiado que o BES e BCP preparam novos aumentos de capital, depois de o Banif ter anunciado o mesmo na semana passada. A administração do BCP apressou-se a indicar que ainda não tinha sido decidido qualquer aumento de capital. Mas não desmentiram a notícia! Nem o poderiam fazer, já que que a necessidade de capital deverá falar mais alto. Aliás, nem poderia ser de outra forma! Como iria justificar o BCP à CMVM que os jornais tivessem sabido mais cedo da notícia do que a autoridade!? Só restava mesmo desmentir…

O que significam estes aumentos de capital para os accionistas? Em primeiro lugar, diluição. Imensa diluição…
Pode argumentar-se que no longo prazo esta medida é benéfica para as empresas. Eu tenho de concordar, é absolutamente fundamental. Mas, a menos que os accionistas estejam voltados para uma vertente mais messiânica, há que pensar quanto tempo irá demorar até que este esforço financeiro solicitado e a confiança comecem a ser recompensados financeiramente! Porque, nesta área, tudo se resume a isso…

Quando as instituições aproveitam um rally do mercado accionista para virem rapidamente colocar acções no mercado a um preço superior, para poderem assim aproveitar um encaixe financeiro superior, essa relação de confiança fica enfraquecida. Quem diz aos investidores destes bancos que este caminho vai ser invertido no futuro? Até onde se estende o problema por detrás de toda esta necessidade de capital? Quão profundo será ele, afinal? Não existiriam outras alternativas em termos de gestão, antes de se partir para novos aumentos de capital? Eu compreendo, é a alternativa mais fácil… é como se o estado fizesse um aumento de impostos, mas passando a ilusão aos seus contribuíntes de que esse aumento de impostos representaria uma oportunidade única…

Pessoalmente não me posso considerar desiludido com a banca, porque nunca estive muito iludido. Aproveitei o rally e negociei BES, BCP e até o Banif. Acreditei que a recuperação seria possível, à medida que a análise técnica mo ia indicando. Hoje coloco essa recuperação em questão, pelo menos no curto e médio prazo. Chamem-me especulador sem coração, mas para já vou voltar a afastar-me da banca. Que não se confunda este post com rancor por alguma perda, pois como é sabido até já tinha vendido as minhas posições há algum tempo e até estou bastante neutro no mercado! Mas custa-me ver, uma vez mais, estas máquinas devoradoras de capital a triturarem a confiança dos protagonistas do nosso mercado accionista.

Uma palavra final para o BPI, que para já se mantém de lado nesta questão. Não sei se o BPI não virá também a necessitar de capital, os testes de stress o ditarão em boa parte. Seja como for, caso se verifique uma inversão na tendência de médio prazo dos bancos nacionais, é pouco provável que este continue a remar contra a maré.
Esperemos que estes aumentos de capital representem um grande negócio para todos os que neles venham a participar. Seria uma excelente medida para o nosso mercado… Considere-se, no entanto, que a esmagadora maioria dos aumentos de capital leva a uma desvalorização dos títulos no médio prazo (3-12 meses). Que ninguém entre neste negócio sem que essa questão esteja devidamente elucidada! O que aconteceu a BCP e BES num passado recente foi algo de atípico, não terá sido certamente a regra…

Comment List

  • Anónimo 14 / 05 / 2014 Reply

    Bom artigo Tiago! leio sempre com muita atençao os seus artigos e tambem estou atento aos videos de analise tecnica. Acho que nos videos, tem imensa coragem em projectar cenarios e em dizer no que acredita que vai acontecer. Nao vejo ninguem a analisar o mercado português como você.

  • Paulo Cleto Silva 14 / 05 / 2014 Reply

    Concordo plenamente em ficar de fora da banca por uns tempos.

    Bons negócios!

  • Anónimo 14 / 05 / 2014 Reply

    Tiago estou a ver que vês uma grande nuvem negra sobre o BCP, não é para menos!
    Para quem está dentro e tem muito a perder caso venda, o que pode esperar deste aumento de capital, irá haver direitos como nas CoCos?
    O suporte de 15 cêntimos ainda pode ser importante?
    Obrigado
    Bruno Patinha da Costa

  • Anónimo 14 / 05 / 2014 Reply

    Os investidores também não precisam de ser tão chorões, se a AT indica queda, entrem curtos. Depressa recuperam das quedas de hoje. Eu perdi hoje muito dinheiro, mas acho que a atitude correta é mudar de lado em vez de nos andarmos a queixar dos jornais, bancos e cmvm…

    Tiago gosto mais dos teus gráficos mas este texto a roçar a AF está excelente, que contunues assim!

    Abraço,

    Limonov

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 14 / 05 / 2014 Reply

    Obrigado, caro Anónimo. É importante esse reconhecimento, já que nem sempre é fácil indicar cenários. É realmente um risco, mas penso que de outra forma a minha opinião não serviria de muito….

    Obrigado, Paulo.

    Bruno, ainda não é possível tirar ilações sobre esses cenários. É necessário saber em primeiro lugar se sempre se verifica o AC e em segundo lugar, caso se verifique a que preço vêm para o mercado os novos títulos.
    Antes dos 15 cêntimos temos o ponto actual, que é da LT. É provável que exista uma reacção. A força dessa reacção pode ser determinante.

    Limonov,
    Obrigado. Concordo plenamente, não vale a pena levantar queixas ou suspeições. Se a AT diz para mudarmos de lado, mudamos. Ou, pelo menos, mantemo-nos fora. É por essa opção que eu decidi enveredar.

    Abraços,
    Tiago

  • Especulador Zen 14 / 05 / 2014 Reply

    Obrigado pela analise Tiago.

  • Especulador Zen 14 / 05 / 2014 Reply

    Obrigado pela analise Tiago

  • Daniel Pires 15 / 05 / 2014 Reply

    Sem duvida mais um bom comentario.

    Penso que todos nos aproveitamos das subidas do BCP e BES e gerimos correctamente o risco ( o meu stop loss do Bes saltou a 2/3 dias)

    Agora temos que aproveitar esta fase descendente enquanto nao é indicado qual o preço que vao ter as novas acções nesta diluição de capital e tentar gerir o risco do nesta oportunidade de vender curto…

  • Hugo O'Neill 15 / 05 / 2014 Reply

    Excelente artigo Tiago. Boa dica, ficar de fora da banca até a poeira assentar.

  • Especulador Zen 15 / 05 / 2014 Reply

    Não se esqueçam que também se pode ter mais valias nas quedas… 🙂

  • JorgeNevada 15 / 05 / 2014 Reply

    Tiago, o que te fez mudar a tua opinião em relação à eventual recuperação da banca?

    Já não era praticamente certo que o BCP e o BES iriam, eventualmente, fazer novos aumentos de capital? Eu pelo menos nunca tive dúvidas que isso viria a acontecer, e penso que o pequeno investidor minimamente informado também o sabia. Por isso não penso que esta situação ponha em causa a recuperação da banca.

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 15 / 05 / 2014 Reply

    Foi o tamanho, no caso do BCP, Jorge. É isso que está a assustar o mercado.

  • Anónimo 15 / 05 / 2014 Reply

    Tiago, agora que se conhecem alguns detalhes sobre o AC do Bes, o que vai acontecer a um acionista com por ex: 1000 ações e que não tenha capacidade financeira para comprar mais acções. Vão receber ações do banco referentes ao desconto, neste caso seriam 385 acções?
    Obrigado pelos sempre corajosos comentários!!
    Bruno Patinha da Costa

  • Anónimo 17 / 05 / 2014 Reply

    Bom dia Tiago
    Eu nunca estive num aumento de capital, e estou um pouco assustado com o Bes. percebi que as acções serão colocadas a um preço de desconto, 0,65 euros, mas como é quando isso acontecerá? Serei eu obrigado a investir mais capital para não ser tão lesado?
    Obrigado por nós esclareceres sempre tão bem.
    Bruno Patinha da Costa

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 17 / 05 / 2014 Reply

    Olá Bruno,
    Por ser uma questão pertinente vou responder em forma de post

  • Filipe 23 / 05 / 2014 Reply

    Bom dia Tiago,

    Gostava de saber a sua opinião relativamente a duas questões que de certa forma estarão relacionadas:

    1)Qual a sua opinião relativamente à cotação do BPI neste momento para uma possível entrada longa num prazo a 6 meses?

    2)São já vários os analistas que apontam para a queda da bolsa norte-americana nos próximos meses, alguns deles avançando que esperam que índices como o SP500 bata nos 1500 pontos algures no 2 semestre. Qual a sua opinião relativamente a este cenário? Acha que o mesmo poderá ter um impacto significativo no PSI e, em particular, nas acções da banca como o BPI?

    Mais uma vez obrigado.

Deixe uma resposta