Pharol agrava prejuízos para 806,5 ME em 2017

Agência Lusa

Agência Lusa

, Notícias

O prejuízo da Pharol agravou-se para os 806,5 milhões de euros em 2017, face aos 61,9 milhões registados em 2016, num ano marcado por alterações contabilísticas e pela apresentação do plano de recuperação judicial da Oi.

Sem os efeitos contabilísticos, a empresa liderada por Luís Palha da Silva teria tido perdas de 13,5 milhões de euros, de acordo com o relatório divulgado pela empresa.

O EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) foi de 4,8 milhões de euros negativos, contra 7,0 milhões negativos em 2016.

Os custos operacionais – mantendo a tendência dos exercícios anteriores – desceram 31% face a 2016 e os capitais próprios cresceram de 246,4 para 261,8 milhões.

Segundo Palha da Silva, 2017 “acabou por ficar marcado pela apresentação de um Plano de Recuperação Judicial da Oi, aprovação em assembleia-geral de credores e, posteriormente, já em 2018, pela sua homologação judicial”.

“Não se podendo conformar com o facto de a proposta não ter sido submetida na referida assembleia-geral pelos órgãos legítimos da companhia e por a solução apresentada ser manifestamente desequilibrada na defesa dos interesses de todos os ‘stakeholders’ em presença, a Pharol, através da sua participada Bratel, tem vindo a envidar todos os esforços nas esferas jurídicas adequadas para defender a legalidade e a equidade da solução final a adotar pela Oi”, refere.

Esse esforço, sustenta, acentuou-se ao longo do primeiro semestre deste ano e a Pharol “tudo continuará a fazer para defender o seu interesse como acionista da companhia, mantendo, no entanto, total disponibilidade para vir a apoiar um Plano de Recuperação Judicial que, através de negociação, reponha o equilíbrio na ponderação dos interesses dos diferentes intervenientes.”

Após a divulgação dos resultados de 2017, as ações da Pharol iniciaram as negociações esta manhã a recuar 4,41% para 0,22 euros, mas pelas 10:00 seguiam já a avançar 1,32% para 0,22 euros.

ICO // MSF

Lusa/Fim

Deixe uma resposta