Plataforma de transporte privado entra em Portugal com “segurança” de haver regulação

Agência Lusa

Agência Lusa

, Notícias

A Chauffeur Privé, nova plataforma eletrónica de transporte privado de passageiros, entra hoje no mercado nacional, assumindo-se como uma concorrente direta à Uber e afirmando ter escolhido Lisboa pelo facto de existir uma lei que regula a atividade.

“Uma das razões que levaram a plataforma a escolher Lisboa como primeira cidade a ser lançada fora de França é precisamente por haver uma regulação que já foi aprovada e uma lei que vai ser implementada já a partir de 01 de novembro”, disse o diretor-geral da Chauffeur Privé em Portugal, Sérgio Pereira.

Em declarações à Lusa, Sérgio Pereira esclareceu que o facto de existir legislação “é que dá equilíbrio e segurança ao investimento que está a ser feito”.

A Chauffeur Privé é, segundo o responsável, uma plataforma de transporte e mobilidade urbana que conecta motoristas privados e utilizadores, fundada em 2012 em Paris, contando já com mais de dois milhões de clientes fidelizados e cerca de 18 mil motoristas em França.

Sérgio Pereira, explicou à Lusa que em 2017 a multinacional alemã Daimler passou a ser acionista maioritária da empresa, com o objetivo de transformar a Chauffeur Privé “na maior empresa europeia no segmento e liderar todos os mercados” em que estivesse presente.

A Chauffeur Privé vai iniciar as suas operações em Portugal com 500 motoristas em Lisboa, prevendo duplicar este número até ao final do ano, adiantou o diretor-geral.

Conhecedor da realidade em Portugal, Sérgio Pereira explicou que a plataforma “não está alheia às críticas dos taxistas” e afirmou que, neste território, em particular, “estas plataformas já demonstraram que são de interesse público”, tendo sido muito bem aceites “pela facilidade de intuição e serviço que oferecem”.

Em relação à lei que regulamenta as plataformas eletrónicas de transporte em veículos descaracterizados, em vigor a partir de 01 de novembro, Sérgio Pereira entende que é “equilibrada” e “oferece o melhor de dois mundos aos taxistas”.

“Estes podem utilizar uma plataforma semelhante – e usam o Mytaxi – e têm também os benefícios de ser taxistas que podem usar faixas de transportes públicos, podem levantar clientes na rua, podem ter publicidade dentro e fora dos veículos e têm vantagens que não são aplicadas ao setor das plataformas”, referiu.

Sérgio Pereira assume que a plataforma está “comprometida com o mercado nacional” e vai cobrar “uma comissão mais baixa aos seus motoristas, o que faz com que recebam mais pelas viagens”.

“Também oferecemos o preço da viagem fixo e invariável. Aquando da receção do pedido de serviço pela plataforma, o utilizador recebe a indicação do valor a pagar pela viagem, que não vai sofrer qualquer impacto mesmo se houver fatores externos como trânsito ou alteração ao percurso da viagem”, explicou.

O responsável adiantou também que a plataforma será a única no mercado português a disponibilizar um programa de fidelização com vantagens para os clientes regulares: por cada euro gasto em viagens, o cliente ganha um ponto que poderá converter em descontos em viagens seguintes.

A entrada da plataforma no território nacional acontece na semana em que os taxistas vão voltar às ruas em protesto, reclamando a fiscalização sucessiva da constitucionalidade do diploma aprovado, para suspender os seus efeitos.

RCP // ROC

Lusa/fim

Deixe uma resposta