Portugal Telecom – Análise Semanal

Tiago Esteves
A Portugal Telecom foi a vencedora da sondagem semanal. Desde o seu último máximo relativo, em finais de 2010, a PT já deslizou 70%, e continua sem dar sinais sólidos de recuperação. Após a mega-alienação da Vivo, o mercado perdeu alguma esperança nas capacidades da PT, sobretudo no que diz respeito à América do Sul. Com a Vivo a PT fez um trabalho extraordinário, ajudando a transformar esta empresa na maior operadora móvel do hemisfério Sul! Foi-se a Vivo, ficaram 7,2 mil milhões. Mau negócio, na minha opinião…

Com metade desse dinheiro comprou-se uma participação de 23% na Oi e distribuiu-se uma significante fatia do restante em dividendos. No que diz respeito à Oi, pode ser um investimento no futuro mas será um investimento de longo prazo, exigindo-se muito trabalho até que se consiga abrandar a exponencial subida que a Vivo tem vindo a protagonizar nos mais diversos sectores dentro das telecomunicações.

Além da aposta de risco na Oi, também a capacidade de a PT manter o pagamento de um dos mais elevados dividendos do sector (senão mesmo o mais elevado) tem vindo a preocupar os analistas e os intervenientes no mercado. Se até agora a PT apresentava uma postura de empresa madura, neste momento parece querer inverter essa política. E é mais que certo que no próximo ano teremos uma revisão do dividendo distribuído, afastando-se assim diversos accionistas com um perfil mais defensivo, do tipo buy & hold.

Tecnicamente as coisas não estão famosas. O título está num profundo bear state e não parece querer de lá sair. Mantém padrão de lower-highs desde o início da fase descendente, atingindo recentemente mais um mínimo de… bem, nem sei, só tenho registos até 1998. Pelo menos 14 anos… Esse mínimo, nos 3 euros, representa agora um ténue suporte que não resistirá certamente a uma investida muito forte. Como resistências temos uma nos 3.72, que será o próximo obstáculo. Acredito que lá chegue, que feche o gap down até!

Mas a verdadeira prova vai ser a zona de resistência assinalada no gráfico. A ser ultrapassada poderíamos começar a falar numa inversão de tendência, ou pelo menos a olhar para o título com outro respeito. Como sinal positivo (apesar de não ser muito forte, importa considerá-lo) temos uma divergência de volumes, que têm sido discretamente mais fortes na subida do que na descida. É um sinal que deve ser acompanhado e vigiado de perto, mas até que se quebrem as resistências não vale a pena tentar adivinhar um fundo.

Deixe uma resposta