Prejuízos da Farfetch mais do que duplicam no 1.º trimestre para 109 milhões de dólares

Agência Lusa

Agência Lusa

, Notícias

Os prejuízos da Farfetch, plataforma ‘online’ de artigos de luxo, mais do que duplicaram no primeiro trimestre do ano, para 109 milhões de dólares (97 milhões de euros), face ao mesmo período de 2018, informou a empresa.

Até março, os prejuízos da Farfetch aumentaram 115,45% na comparação com igual período do ano passado, para 109,27 milhões de dólares, embora as receitas registadas tenham subido 39%, para os 174,06 milhões de dólares, refere a empresa em comunicado.

A empresa, que foi fundada pelo português José Neves, justificou o agravamento dos prejuízos, em particular, devido ao aumento das perdas operacionais, que passaram de 25,1 milhões no primeiro trimestre de 2018 para 85,5 milhões de dólares nos primeiros três meses deste ano.

A Farfetch indicou que o EBITDA (lucros antes de juros, amortizações e depreciações) agravou-se no período em análise, passando de 23,6 milhões de dólares negativos nos três primeiros meses de 2018, para 30,2 milhões de dólares negativos no primeiro trimestre deste ano.

A empresa explicou ainda que as perdas cambiais influenciaram também as suas contas no período em análise, sobretudo devido ao impacto negativo de um dólar mais forte, que pesou na reavaliação dos balanços denominados em moeda estrangeira.

O fundador e presidente executivo da empresa, José Neves, realçou, no comunicado, “o crescimento da plataforma Gross Merchandise Value (GMV)”, que apresentou um aumento de 44%, para 415 milhões de dólares.

O presidente executivo da Farfetch, espera um “forte crescimento contínuo” em 2019, suportado, nomeadamente no lançamento piloto da realidade aumentada na boutique principal da Chanel em Paris (uma plataforma que combina a experiência em loja com os serviços digitais e ‘online’).

O administrador Financeiro Farfetch, Elliot Jordan, manifestou a sua satisfação com “o forte começo do ano” e os resultados apresentados nos primeiros três meses deste ano, que, segundo o gestor, demonstram “um trimestre bem executado”.

“O nosso rápido crescimento, que excede em muito o crescimento da indústria de luxo ‘online’, permite o nosso investimento contínuo tanto no envolvimento do cliente a curto prazo, como no desenvolvimento de plataforma a longo prazo, sustentando o nosso crescimento contínuo futuro”, salienta no comunicado.

JS // CSJ

Lusa/Fim

Deixe uma resposta