“Qual é a pressa? Hum? Mas qual é a pressa?”

Tiago Esteves
Sempre que o PSI20 cai de forma mais intensa e depois esboça uma reacção, eu recebo pedidos de informação relativamente aos melhores títulos para comprar. Todos queremos comprar grandes oportunidades no mercado, a maioria de nós detesta ver o mercado subir sem estar posicionado e a ganhar qualquer coisa com isso. Eu não fujo à regra, também não gosto de ver o mercado fugir enquanto o meu dinheiro está guardado no colchão(há formas de contornarmos essa limitação psicológica sem corrermos grandes riscos, mas isso fica para outra altura)! Mas a verdade é que isso é o mais prudente sempre que possamos estar localizados no olho de uma tempestade.

Quem olha para os mercados numa óptica de longo prazo e olha para a sua carteira numa óptica de crescimento sustentável, sabe que não se pode expor a riscos desnecessários. Porque pode até correr bem a maioria das vezes (geralmente não corre), mas basta que haja uma vez em que corra mal para ficarmos com a carteira condicionada durante anos. Valerá mesmo a pena expormo-nos a um risco dessa natureza? Tive oportunidade de alertar por diversas vezes que as coisas no PSI não estavam fáceis, um H&S no índice é um sinal muito poderoso… Quando ele surge, a prudência manda-nos recuar. E foi isso que fiz, tal como tive oportunidade de partilhar por diversas vezes. Refugiei-me em liquidez (30%) e obrigações (70%). Não me arrependo, em boa hora o fiz. Não me teria arrependido mesmo que o mercado continuasse a subir, porque sei que tomei uma medida de sobrevivência. E as medidas de sobrevivência devem sempre ter prioridade em detrimento das medidas de ganância.

A maioria das pessoas que passa por este espaço começou nos mercados há menos de 5 anos, em tempos relativamente estáveis quando comparados com o passado recente. Ouço por aqui por vezes estratégias do género “se o mercado cair fortemente dois dias seguidos, ao terceiro compro. Sobe sempre ao terceiro”. É uma estratégia legítima, concorde-se ou discorde-se dela. Até acredito que se fizermos um backtest a esta estratégia, ela terá sido ganhadora nos últimos anos. Mas arrisco-me a tentar adivinhar que num bear market ela não funcionaria. Lia ontem num jornal internacional a opinião de alguém, que referia estar preocupado com a imaturidade dos hedge fund managers. Com os baby boomers a fugirem para a reforma, a maioria dos actuais HF managers têm menos de 5 anos de experiência efectiva nessa função. Significado? Nunca viveram um verdadeiro bear market ao leme do barco. Dizia o autor (não me recordo do nome) que este factor o preocupava, já que facilmente alguém que nunca viveu um bear market entra em pânico. É verdade, e é especialmente verdade durante o verão, quando os gestores mais experientes geralmente vão de férias.

Basta uma acendalha, um motivo qualquer, por mais tonto que seja, e o baralho de cartas pode ruir a uma velocidade estonteante! Viram o que o GES provocou por esse mundo fora? Imaginem um escândalo a sério, num mercado de peso… Já o vi acontecer algumas vezes, estou convicto que voltará a acontecer até ao verão de 2015… e não quero ser apanhado no meio desse redemoinho! O que aconteceu recentemente com a PT e o BES é apenas uma amostra do que pode acontecer a 95% dos títulos do nosso mercado.

Quando o bear market chegar, quase tudo vai cair, e nem sequer haverá uma razão válida para isso! Vão-se culpar os tubarões, os especuladores, os gestores, o governo, a CMVM… já vi este filme. Mas não haverá culpados, muito menos responsabilizados. Cabe a cada um de vocês, sobretudo aos mais jovens nos mercados, decidir se preferem estar do lado dos que culpam ou do lado dos que olham atentamente para o filme em busca de uma oportunidade.

Agora, tal como no fundo de um bear market, haverá um ponto de inversão, um momento para comprar. Mas, se comprarmos cedo demais, estaremos a expor-nos ao penoso processo de aguentar uma posição perdedora em carteira, muitas vezes apenas o tempo suficiente para a voltarmos a vender no break-even, logo quando afinal ela já tinha invertido. Ninguém que seja prudente e esteja no seu perfeito juízo conseguirá apanhar um movimento desde o seu topo até ao seu fundo. Se quisermos manter-nos na maratona teremos de saber esperar pelo momento certo, ser apenas ambiciosos ao ponto de querermos uma pequena porção do movimento. É o suficiente! Se formos com demasiada sede ao pote, a probabilidade de morrermos afogados aumenta a cada nova tentativa de beber. Afinal, qual é a pressa de comprar um movimento de inversão? Se ele for mesmo sustentável e prolongado no tempo, teremos imensas oportunidades de entrar! Parafraseando o futuro-ex-líder socialista, afinal qual é a pressa?

Comment List

  • Anónimo 16 / 07 / 2014 Reply

    (há formas de contornarmos essa limitação psicológica sem corrermos grandes riscos, mas isso fica para outra altura)!

    Fico a aguardar …

  • Daniel Pires 16 / 07 / 2014 Reply

    Muito bom post Tiago…
    Sem dúvida nenhuma não pode haver preca no trading…
    Tudo o que sobe cai….

  • Viri Athus 16 / 07 / 2014 Reply

    Excelente Tiago!

  • Anónimo 16 / 07 / 2014 Reply

    Boa noite

    Tiago

    Mesmo quem "só" esta a 5 anos nos mercados deve ter bem noção do que é um bear market…na europa foi um autentico terror…ou seja foram apanhados nas subidas 2009/11 para um verdadeiro afundanço ate 2012.

    Não me passou despercebido o 1º paragrafo do que aqui descreveste… ha outras formas de interagir neste arduo trabalho com o Tiago,assim sendo,eu gostaria de poder estar a par das tuas opiniões/decisões.

    A verdade é que nunca me interessei muito pelos mercados europeus porque nunca encontrei um blog interessante atê ter descoberto este,"penso eu de que"
    Por isso andei pelos mercados EUA onde hipoteticamente existia muita informação,mas acima de tudo muita desinformação em sites como FINVIZ.

    Aguardo resposta.
    obrigado

    batistuta

  • Paulo Carvalho 16 / 07 / 2014 Reply

    Muito oportuno Tiago. Obrigado

  • JorgeNevada 17 / 07 / 2014 Reply

    Concordo com tudo o que escreveste neste artigo, mas ficou saliente a ideia de que consideras que estamos mesmo em tempos de inversão, nao so em portugal, mas na generalidade das praças.. Estou correcto?

  • Anónimo 17 / 07 / 2014 Reply

    Eu atê concordo plenamente com este texto,afinal o que eu tenho visto é um arrastamento lateral de milhentas de acçoes desde 1 ano para cá,com inclinação para baixo,e tudo o que sobe corrige no dia a seguir,e o que sobe por muitos dias são quase todos especulações financeiras e claro os mais perigoso…tipo as subidas dos bancos na Europa recentemente e que logo a seguir viu-se o que se viu,aumentos de capital em força,fora o que ainda poderá estar por vir(lucros eles prometem,entao será que náo ira ser antes prejuizos!!!.Mas contudo os indices estáo alguns e outros estavam lindinhos,alias os melhores "titulos" afinal foram os indices.

    Quanto ao haver tempo como diz aqui o Tiago eu atê concordo,mas para compra de indices,mas e para a compra de acções,tambem é assim,a resposta é obvia,claro que não.Pois é preciso saber onde colocar o dinheiro,e o mais certo é nao acertar devido ao que ja mencionei acima.

  • Anónimo 17 / 07 / 2014 Reply

    boas tiago, permite-me a provocação. Porquê esse futurismo todo e a convicção que um escândalo acontecerá até ao verão 2015?! Esse tipo de afirmações costumam ser de principiante de mercado e vão totalmente contra uma tendencia fortissima que se tem verificado na maioria dos indices de peso mundiais! De resto continua com o EXCELENTE trabalho, mesmo que discorde acho o teu blog super informativo e de grande valor para mim! Abraço nuno

  • Anónimo 17 / 07 / 2014 Reply

    É impressionante,como pessoas se arriscam a perder um monte de dinheiro,para ganhar uns tostões entrando no fecho do dia pois claro,porque se for na abertura do proximo ja com subidas ai é mesmo de loucos.

  • Anónimo 17 / 07 / 2014 Reply

    A respeito do que tenho comentado,a exemplifico com o mercado holanda:
    A atual recuperação do mercado acionário pode ter chegado ao fim porque a manifestação foi apoiada por apenas um punhado de ações. Não tanto o mercado de ações em geral, mas os grandes fundos puxou o carrinho enquanto o resto ficou para trás. Especialmente o AEX é um bom exemplo ING, Shell e Unilever são os três de nós são responsáveis ​​por 60% do aumento da AEX.
    As grandes multinacionais têm os seus pontos de venda em todo o mundo e aproveitar as baixas taxas de juros consideravelmente. No entanto, os mais pequenos que lutam com vendas decepcionantes, pode ser difícil de tomar dinheiro emprestado e ainda à espera de uma recuperação da economia (local).
    Os avisos do BAM construtores e Ballast Nedam falam por volumes. BAM tem problemas com projetos na Alemanha e na Inglaterra e livro aqui agora para € 75.000.000 off. Para permanecer dentro dos convênios do banco promete economia CEO Nico de Vries de 100 milhões de euros, para simplificar a estrutura das empresas operacionais, uma melhoria do capital de giro de 300 milhões, e ele quer levantar 100 milhões com a venda de ativos.

    Isto foi o que acabei de ler hoje por coencidência e deve servir para cada qual tirar as suas ilações

    Batistuta

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 17 / 07 / 2014 Reply

    Obrigado a todos pelos vossos comentários.

    Batistuta, de forma muito resumida, trata-se de mini-trading. Quando temos um "palpite" ou temos vontade de estar no mercado mas sabemos que é muito arriscado, podemos entrar com uma posição pequeníssima (obviamente só o podemos fazer se não tivermos comissão fixa) para nos expormos ao mercado mas não ficarmos financeiramente afectados se não tivermos razão. Se tivermos, não sofremos por ver o mercado ir a favor do que planeamos. Por pouco que seja o ganho, o nosso cérebro encara-o como tal e isso transmite tranquilidade.
    Concordo com o segundo comentário!

    Jorge,
    Sim, não posso descartar uma inversão de médio prazo em Portugal. Não, não há ainda evidências que sugiram um risco sistémico de tal acontecer nesta fase em outros mercados. Mas não deixa de ser necessária prudência.

    Anónimo das 11.29: É uma estratégia interessante, a negociação directa de índices diminui de forma considerável a exposição à volatilidade. Cada vez mais a sigo parcialmente para me posicionar no médio prazo.

    Nuno,
    Aceito e concordo com a provocação 🙂 Mas repara que não estava a referir-me a um escândalo mas sim a um bear market global. Se tecnicamente não existem ainda sinais disso, do ponto de vista fundamental existem sinais de esgotamento. Não "atirei" a data ao acaso, é a minha previsão para a diminuição significativa do QE nos US. Se não acontecer antes, penso que tal deverá dar início ao bear market.

    Abraços

Deixe uma resposta