Quem entra e quem sai do PSI20? Agora sim, o prognóstico

Tiago Esteves
Depois de termos explorado de forma detalhada as novas regras para a constituição do PSI20, é tempo de fazer o prognóstico relativo a quem entra, quem sai e quem se mantém. Pegando no primeiro critério, a capitalização bolsista negociável (Free Float Market Cap), foi relativamente fácil descobrir os 18 elegíveis mínimos para o índice:

– EDP

– Banif

– Galp Energia SGPS SA
– Jeronimo Martins SGPS SA
– Banco Espirito Santo SA
– EDP Renovaveis SA
– Banco Comercial Português
– Portugal Telecom SGPS SA
– Zon Optimus SGPS SA
– Sonae SGPS SA
– Banco BPI SA
– Portucel SA
– REN Redes Energeticas Nacionais
– Semapa
– CTT Correios de Portugal
– Mota-Engil SGPS SA
– Espírito Santo Financial Group
– Altri SGPS SA

– Teixeira Duarte SA

Confirma-se assim a saída da Sonaecom (não atinge os 15% mínimos exigíveis de FFMC), Cofina (nem o Market Cap atinge sequer os 100M) e Sonae Industria (FFMC de 60M). 
O grande problema está na empresa que falta. Sabendo-se que o índice terá de ser constituído por um mínimo de 18 empresas, as acima enumeradas estão de certa forma já garantidas. Para a última vaga existe um problema… pelas minhas contas nenhuma das restantes atinge um FFMC de 100 milhões de Euros. A própria Impresa, apontada pelos jornais como a próxima integrante (o Dinheiro Vivo até diz que foi a CMVM a fazer o anúncio, dado que eu não consegui confirmar e que considero muuuuito estranho), não parece atingir os limítes mínimos para a eligibilidade. 

Tinha, à data deste post, uma capitalização total de 255 milhões de euros, mas apenas (segundo o último relatório de contas) um free float de 14%. Mesmo considerando que este relatório terá já sido publicado há quase um ano, e admitindo que entretanto possa ter havido alterações, seria necessário um free float de 40% para a tornar elegível. No site do Financial Times é apontado um Free Float para a Impresa de 66M. Assim, e para grande pena minha, o meu prognóstico será que teremos um falso PSI20 por falta de condições para a eligibilidade de uma empresa… 

E a negociação, em que se altera com estes dados? A Teixeira Duarte e os CTT são claramente beneficiadas com esta revisão, por sofrerem de um aumento de exposição e por terem obrigatoriamente de integrar os fundos que replicam o PSI20. Isso fará com que a compra por parte destes aumente o preço. Mas não significa que só o façam quando estas entrarem no índice! Alguns fundos poderão fazer a compra antes deste momento, verificando-se por isso geralmente uma subida prévia à efectivação do anúncio. Geralmente assistimos inclusivé a um sell on the news, havendo muitos investidores que aproveitam a entrada no PSI20 para fecharem as suas posições. Parece-me por isso que estes dois títulos poderão continuar a ser catalizados até ao dia 24 de Março com essa notícia, abrandando depois.

E a Sonae Indústria e a Cofina, que saem? Essas verão, pelos motivos inversos, a sua liquidez reduzida e um aumento do desinteresse. Significa isso que irão cair fortemente nos próximos meses? Não necessariamente, as acções do PSI geral também sobem. Olhe-se para a Martifer, Novabase, Inapa e outras. Vivem o bull market de forma ainda mais intensa do que as cotadas no PSI20! Não é positivo, é verdade, mas também não significa o fim do Bull Market para elas. O caso da Sonaecom é diferente, pois está-se sobretudo a penalizar a distracção e a inexistência de uma OPA Potestativa. É possível que as quedas se arrastem já que o actual preço vale o controlo. 

P.S.: Olhem sempre com uma visão bastante crítica para tudo o que é dito em fóruns, blogues ou jornais. Estes últimos, apesar de terem maiores obrigações e deveres, nem sempre têm correspondido a essa responsabilidade. Lembre-se (porque às vezes as coisas caem rapidamente no esquecimento) o caso da Cimpor e o anúncio como certo por alguns jornais “da especialidade” da OPA potestativa por parte da Camargo Corrêa. Recorria-se na altura a uma fonte da CMVM para indicar que a percentagem de acções em mercado teria atingido o limite obrigatório para se recorrer a tal mecanismo. Soube-se mais tarde, pelo comunicado oficial da CMVM, que a percentagem mínima não tinha sido atingida e o título caiu fortemente. Os jornais trataram de arquivar as notícias sobre o tema e a CMVM tratou de dizer (com toda a razão) que as notícias não valem de nada enquanto não forem oficializadas. Não quero com isto dizer que a Impresa não venha a entrar no PSI20, até admito que provavelmente neste caso sou eu que estou errado, mas até haver uma confirmação oficial por parte da entidade competente não se deve dar demasiada importância ao que se lê nos jornais.

 

Comment List

  • Tomás Peixoto 24 / 02 / 2014 Reply

    O banif não foi mencionado. É provável a sua saída também..?

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 24 / 02 / 2014 Reply

    Tens razão Tomás. Tinha-me esquecido do Banif, que continuará no PSI-20. Jà corrigi

  • Anónimo 24 / 02 / 2014 Reply

    A impresa vai entrar no PSI20 basta ver a festa laranja e a mensagem do ex-presidente do grupo.

Deixe uma resposta