Receitas da Altice Portugal sobem 1,7% em 2019 para 2.110 ME

Agência Lusa

As receitas da Altice Portugal subiram 1,7% (36 milhões de euros) em 2019, face ao ano anterior, para 2.110 milhões de euros, invertendo a queda registada em 2018, divulgou hoje a dona da Meo.

“Após quatro trimestres consecutivos de crescimentos homólogos positivos, a Altice Portugal termina o ano de 2019 com crescimento de receita de 1,7%, fixando-se em 2.110 milhões de euros, invertendo uma queda de 67 milhões de euros registada em 2018”, face ao ano anterior, refere o grupo, em comunicado.

“O último trimestre do ano foi muito marcante, com a receita a crescer 17 milhões de euros (+3,3%), a que acresce ainda uma clara tendência de sustentabilidade com aumentos consecutivos trimestre a trimestre ao longo do ano 2019”, adianta a empresa liderada por Alexandre Fonseca.

O resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) “acompanhou a evolução extraordinária da receita e fixou-se em 832 milhões de euros”, uma diminuição de cerca de 1% face ao ano anterior (840 milhões de euros).

“A excelente performance foi transversal a todos os segmentos de negócio, com o segmento de consumo a encerrar o exercício com crescimento de 0,9% e o segmento de serviços empresariais com crescimento de 2,8%”, acrescenta a Altice, apontando que “ambos os segmentos invertem, de forma significativa, a performance negativa que foi registada no ano de 2018, com -3,8% e -2,3%, respetivamente para consumo e serviços empresariais”.

O investimento (Capex) ascendeu a 436 milhões de euros, “representando um aumento de 12 milhões de euros, ou seja, uma subida de cerca de 3% face a 2018.

Tal resulta “da aposta na expansão da rede móvel 4G, transformação da rede de transporte, investimento na plataforma de televisão e, em particular, no reforço da infraestrutura de fibra ótica, para alcançar a meta de 5,3 milhões de casas em 2020”, explica a Altice Portugal.

“O último trimestre do ano é revelador dessa estratégia com um investimento de 140 milhões de euros, o mais elevado dos últimos 16 trimestres”, sublinha.

ALU // JNM

Lusa/Fim

Deixe uma resposta