Resultados positivos da TAP dão “confiança no futuro”-ministro do Planeamento

Agência Lusa

Agência Lusa

, Notícias

O ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, considerou hoje que os resultados positivos da TAP em 2017 dão “confiança no futuro” da transportadora aérea e na própria economia do país.

“A sua estabilização financeira e o regresso a resultados positivos é um bom sinal para os portugueses porque nos dá confiança no futuro da TAP e, ao fim ao cabo, confiança na nossa economia”, considerou hoje Pedro Marques.

O jornal Negócios escreve hoje que o negócio da aviação permitiu à TAP SGPS atingir lucros de 21,2 milhões de euros em 2017, depois de ter registado prejuízos de 27,7 milhões de euros em 2016. Já na atividade aérea, a companhia registou 100 milhões de euros de lucro depois de no ano anterior ter conseguido 33,5 milhões de euros.

Contactada pela Lusa, a TAP referiu não fazer comentários antes da aprovação dos resultados na assembleia-geral de 09 de maio.

À margem de uma reunião com o primeiro-ministro e os presidentes dos governos regionais dos Açores e da Madeira acerca das prioridades para as Regiões Autónomas nas negociações do próximo quadro comunitário de apoio, o ministro das Infraestruturas notou a forma positiva como se olha para a estabilização da empresa.

“Foi esse o propósito da ação deste Governo. Consideramos que a manutenção de uma posição do Estado como maior acionista dava-lhe alcance estratégico, dava estabilidade estratégica e permitiria que uma gestão executiva por parte dos acionistas privados pudesse cumprir esse plano estratégico”, disse.

O governante reportava-se à reversão da privatização, que resultou em 50% do capital para o Estado, através da Parpública, 45% para o consórcio Atlantic Gateway e 5% para os trabalhadores.

Pedro Marques considerou ainda “saudável” a relação com os acionistas, assim como considerou que o “bom trabalho” da anterior equipa e da atual “tem sido muito positiva e os resultados estão aí para demonstrar”.

A transportadora continua a ter desafios, acrescentou ainda o ministro, que considerou o maior desses “cumprir o papel como grande transportadora portuguesa, como grande agente do desenvolvimento do Turismo em Portugal”, mas também das exportações e da atividade internacional da economia portuguesa.

PL/RCS // MSF

Lusa/fim

Deixe uma resposta