Santander quer integração do Popular noTotta concluída em 2018 sem perder clientes

Agência Lusa

Agência Lusa

, Notícias

O grupo Santander pretende que a integração do Banco Popular no Santander Totta, duas entidades bancárias de que é dona em Portugal, seja feita até ao “final do ano” de 2018 sem perder quota de mercado ou clientes.

“Estimamos que a integração será feita antes do final do ano”, disse hoje o presidente executivo do grupo espanhol, José António Alvarez, na conferência de imprensa hoje em Madrid para apresentação dos resultados de 2017.

Na mesma conferência de imprensa, a presidente do Santander, Ana Botín, revelou que o objetivo, “tanto em Portugal como em Espanha, é não perder quota de mercado ou clientes” com a integração do Banco Popular no Santander, considerando que “isso não é fácil”.

Por outro lado, Ana Botín assegurou que o grupo “não tem planos de comprar neste momento” outras entidades bancárias em Portugal.

O grupo Santander, primeiro grupo bancário da zona euro por volume de capitalização, comprou por um euro, em 07 de junho de 2017, o Banco Popular que, na altura, era o sexto banco espanhol e estava à beira da falência.

O banco espanhol anunciou em 12 de dezembro passado que a fusão das duas entidades iria implicar, entre outras coisas, a supressão de 1.100 postos de trabalho em Espanha no quadro da reestruturação em curso.

O grupo bancário fechou 2017 com um lucro de 6.619 milhões de euros, mais 7% do que no ano anterior, tendo o Santander Totta, em Portugal, contribuído com 440 milhões de euros para o resultado.

Em Portugal (sem o Banco Popular), o lucro do Santander Totta cresceu 10%, para 440 milhões de euros, com um crescimento do crédito e dos recursos próprios e redução nos custos e nas provisões para insolvências.

O grupo espanhol sublinha que depois da aquisição do Banco Popular, o Santander Totta “converte-se” no maior banco privado português, tanto em ativos como em créditos.

FPB // ATR

Lusa/Fim

Deixe uma resposta