Semapa inunda o mercado obrigacionista com negócio pouco interessante

Tiago Esteves
A Semapa vai emitir obrigações num montante mínimo de 100 milhões de euros, que poderá ainda vir a ser aumentado. Isso mesmo, 100 milhões de euros!! Grande movimento da Semapa, que pretende claramente tirar dividendos do actual momento dos mercados internacionais e financiar-se a preços reduzidos. Eu não conheço em profundidade as contas da Semapa mas adivinho que grande parte deste montante servirá para rodar dívida que esteja actualmente a ser financiada a valores superiores. Um bom exemplo disso são as obrigações 2012/15, que pagam 6,85% ao ano aos seus portadores (onde eu me incluo).

Ora, o que é oferecido agora? Pouco, muito pouco… 3,25% ao ano, valor ao qual acresce um prémio equivalente à euribor a 6 Meses. Não é atractivo, não justifica o risco, especialmente considerando que esta emissão é a cinco anos (2014-2019). Os 3,25% correspondentes à parte fixa do cupão sabem manifestamente a pouco, e a componente variável correspondente à euribor 6M é pouco mais do que uma ilusão. Em primeiro lugar porque se esperam taxas de juro baixas para os próximos anos. E em segundo lugar porque se sabe que o mercado obrigacionista é penalizado quando as taxas de juro sobem, geralmente de forma proporcional.

Não sei se a Semapa se vai direccionar nesta emissão para o retalho ou para os institucionais, mas acredito que a procura não venha a ser das mais intensas. Tenha-se por isso atenção ao factor de rateio, que pode ficar bem abaixo do que foi habitual para este tipo de emissões nos últimos anos. Enfim, esta será a primeira de algumas emissões com taxas previsivelmente pouco atractivas. Não me agrada, enquanto obrigacionista… Já enquanto accionista não poderia estar mais satisfeito!

Lista de Comentários

  • Hugo O'Neill 08 / 04 / 2014 Reply

    Peranta a execelente explicação do Tiago, só um investidor não informado é que comprará as obrigações, ou então os bancos "impingem" aos seus clientes.

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 08 / 04 / 2014 Reply

    Obrigado Hugo!

  • Mendes 08 / 04 / 2014 Reply

    Tiago os meus parabéns pelo teu blogue. Já há uns tempos o que o sigo e gosto especialmente da forma que escreves e da forma que abordas os respetivos assuntos. Gostaria que me retirasses apenas uma dúvida: porque dizes que como acionista não podias estar mais satisfeito? Não entendi a relação entre as obrigações a uma taxa reduzida e os futuros movimentos das ações. Se poderes gostaria que me retirasses esta dúvida. abraço

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 08 / 04 / 2014 Reply

    Muito obrigado pelas palavras, Mendes.
    É simples. Imagina o caso da república Portuguesa. Qual tem sido o nosso maior problema nos últimos anos? Os juros a que pagamos a nossa dívida. O que a Semapa quer fazer é uma reestruturação da sua dívida, da que está a pagar a um preço bastante alto (acima de 6%), e trazê-la para níveis sustentáveis. Se conseguir converter a dívida para 3% será meio caminho andado para ter resultados financeiros mais positivos. E isso converte-se numa subida das cotações!
    Abraço

  • Anónimo 09 / 04 / 2014 Reply

    No entanto, como alternativa às taxas de juro dos depósitos a prazo e mantendo as obrigações até à data de maturidade, não deixa de ser uma opção a considerar.

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 09 / 04 / 2014 Reply

    Para negociar obrigações preferiria virar-me por exemplo para as dos clubes. Pagam quase o dobro e o risco real de default não é assim tão superior

  • Anónimo 12 / 04 / 2014 Reply

    ciao Tiago,
    Poderia me dizer un forum onde falam sobre obrigaçoes?
    Obrigado

  • Tiago Esteves
    Tiago Esteves 12 / 04 / 2014 Reply

    As obrigações não são um tema propriamente famoso entre os portugueses. Mas por vezes no caldeirão de bolsa discute-se a questão

  • Anónimo 14 / 04 / 2014 Reply

    As obrigações dos clubes nao me parecem tão arriscadas quanto a Semapa. O benfica por exemplo cada vez que me emite obrigações dobra a divida existente em obrigações mas parece-me que há limites razoáveis a partir dos quais o risco se torna insuportável.
    A Semapa parece-me uma empresa como deve ser com Cash Flows regulares em nada parecida com um clube de futebol.
    A verdade é que a situação como o risco de Portugal é percebido pelos investidores melhorou muitissimo e isso alastra-se a todas as empresas portuguesas, dai a diferença de juros de 6 e tal % para 3 e tal %.
    Neste contexto e comparando com as alternativas parece-me uma boa taxa mas vamos ver.

Deixe uma resposta