Sentimento de Mercado (10/11) – Impasse político ensombra Wall Street

Marco Silva

Marco Silva

, Actualidade
Tal como referi à entrada para esta semana, com o aproximar do final da earnings season e o afastamento da incerteza relativamente aos non-farm payrolls, os investidores têm-se encostado ao tema da reforma fiscal nos EUA para aferir da possibilidade de Wall Street aumentar os seus ganhos deste ano, ou ao invés se o mesmo já está demasiado esticado. Com 21% de ganhos no S&P500 e após sete anos de Bull Market é caso para dizer que 2017 tem sido um ano em grande para os Bulls, que apesar de todas as incógnitas têm conseguido impulsionar Wall Street para novos máximos históricos, suportados por resultados empresariais que batem sistematicamente as previsões, bem como de uma economia norte-americana que soube ultrapassar o soluço do primeiro trimestre. Contudo e prestes a entrar na quadra festiva a cautela é mais premente e até aos próximos dados económicos só mesmo o tema fiscal pode dar o impulso necessário para mais um esticão ascendente.
O factor de incerteza neste momento reside no facto de que o optimismo que se tinha gerado com a aprovação do orçamento do governo dos EUA, de que a reforma iria mesmo para a frente, tem-se esfumado dia após dia e ontem foi conhecido que a proposta de lei do Senado difere da proposta da Casa dos Representantes, nomeadamente porque a primeira prevê o adiamento para 2019 da redução até aos 20% dos impostos para as empresas. Diferença que criou mais desanimo sobre a possibilidade do documento ser aprovado ainda este ano, pressionando em baixa os sectores que seriam mais beneficiados com a medida. Com as nuvens cinzentas chegou igualmente a opção por activos refugio e redução de risco, afectando especialmente as tecnológicas, que ainda assim são o sector que mais valorizou este ano, cerca de 37%. O U.S dólar também se ressentiu do ambiente pouco convidativo ao risco e cedeu 0,3%, ao passo que o Yen, valorizou 0,4% para os 113.37, movimento idêntico ao seu parceiro nos activos refúgio, o Ouro, que avançou para os  $1,286 por onça, valor que é o mais elevado das últimas 3 semanas.

 

A análise ao sentimento de mercado é patrocinada por Activtrades

Deixe uma resposta