Sentimento de Mercado – Bear trap

Marco Silva

Marco Silva

, Actualidade

Depois de alguns dias em que o movimento inverteu em 180 graus o da sessão anterior, ontem foi a vez de uma forte inversão mas dentro do próprio dia, apanhando assim muitos optimistas naquilo a que é comum se designar por Bear trap, isto porque foi criado artificialmente um sentimento de esquecimento dos problemas prementes da semana transacta, em prol do negócio de compra da Red Hat pela IBM, a fazer lembrar uma Merger Monday, quando na realidade os Bears estavam prontos para entrar de novo ao ataque assim que os índices estivessem com ganhos decentes. E foi o que acabou por acontecer, com os índices norte-americanos a registarem ganhos na ordem dos 1% até à primeira hora do dia, para então iniciarem uma reviravolta que atingiu os cerca de 2% no S&P500 e os 900 pontos no Dow Jones, tem sido contudo o Nasdaq o que mais fraqueza demonstrou, não só porque foi o primeiro a atingir o território vermelho, mas também porque averbou a maior perda do dia, com um deslize de -1.63%, mais do dobro do recuo de -0.66% do S&P500, o que melhor performance obteve.

Individualmente a Amazon foi o principal catalisador do pessimismo no S&P500 e no Nasdaq com mais uma queda avultada, desta feita de -6.33%, enquanto que no Dow Jones o dia foi dominado pelo recuo da IBM e da Boeing, esta última devido ao grande tema do dia, a notícia da Bloomberg que referiu a possibilidade dos EUA estarem preparados para estender o aumento das tarifas alfandegárias a todos os produtos importados da China já no início de Dezembro, caso as negociações entre os dois presidentes, que se vão realizar em Novembro para amenizar a tensão comercial, não surtam efeito. Foi esse o factor x que na prática forçou os Bulls a deitarem a toalha ao chão até 15 minutos do final da sessão, altura em que um provável movimento de cobertura de shorts deu azo a um ligeiro rebound. Para além dos danos no dia, o sentimento ficou agora mais cauteloso, em vésperas de resultados de empresas relevantes, mas principalmente dos non-farm payrolls e muito importante das eleições intermédias nos EUA, que podem criar um imbróglio politico a Trump com a perda da maioria republicana nas duas casas do congresso norte-americano.

De realçar a repetição do ocorrido na quarta-feira passada com a procura por activos refúgio no mercado accionista, ao contrário de sexta-feira, dando assim aos sectores dos retalhistas de produtos essenciais, imobiliário e utilities os maiores ganhos do dia. Igualmente importante na vertente económica o facto dos gastos dos consumidores norte-americanos terem subido em Setembro pelo sétimo mês consecutivo, contudo já os rendimentos subiram ao ritmo mais baixo de mais de um ano, o que não impossibilitou ao U.S dólar a obtenção de uma valorização interessante de 0.6% contra um cabaz de outras moedas principais, para o valor mais elevado de ano e meio.

A análise ao sentimento de mercado é patrocinada por Activtrades

Deixe uma resposta